Caso Maidana é mais uma prova da guerra de egos no São Paulo

Gazeta Press
Gazeta Press

No São Paulo, Maidana foi até capitão em Copa São Paulo


Mesmo sendo um dos destaques do Paraná na última Série B do Campeonato Brasileiro, o zagueiro Iago Maidana foi emprestado ao Atlético-MG para 2018 e nunca vestirá a camisa do São Paulo, que investiu R$ 2 milhões para contatá-lo em 2015. 


O defensor tinha vínculo com o São Paulo até setembro deste ano, mas o Tricolor prorrogou o contrato até o fim do ano para emprestá-lo ao time mineiro, que, logo após o fim do prazo, fechará em definitivo por quatro temporadas. Ainda não há divulgação se alguma compensação financeira foi cedida, mas é bem possível que não.


Para quem não lembra, Maidana foi o pivô do caso que culminou na renúncia de Carlos Miguel Aidar da presidência são-paulina - no fundo, já fez muito pela equipe.  À época, com 19 anos, atuava no Criciúma e foi vendido por R$ 800 mil a empresários que o registraram no Monte Cristo, clube que disputa divisões inferiores em Goiás. Dias depois, chegou ao São Paulo por R$ 2 milhões. A negociação foi alvo de investigação do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), e o clube foi multado em R$ 100 mil. Antes, Aidar deixou o comando da instituição. 


Seja pela briga judicial ou por estar indiretamente ligado ao ex-presidente, era sabido que Maidana teria poucas chances no São Paulo. Foi campeão da Libertadores Sub20 com André Jardine e, em 2017, foi emprestado a São Bernardo e Paraná. Brilhou na Série B do Brasileirão, marcando 5 gols em 26 partidas e se tornando um dos principais nomes do acesso dos paranaenses à elite.


O caminho normal era que voltasse ao Morumbi para, enfim, entrar em campo. O time perdeu Lugano, tem Aderllan como uma incógnita, e duvido muito que Maidana tenha menos qualidades que Bruno Alves ou até o jovem Rony, integrado do time de base. Poderia ser tranquilamente o quarto zagueiro do elenco, atrás dos titulares Rodrigo Caio e Arboleda, e do também jovem e já consolidado Militão.



No São Paulo, no entanto, nada acontece pelo caminho mais lógico. Quase foi envolvido com o Bahia no negócio de Jean e, agora, acerta em definitivo com o Atlético, que, nos moldes da negociação e pela bola jogada em 2017, acerta na contratação. Maidana deixa o Tricolor como prejuízo e, por mais que esteja longe de ser um craque da posição, é jovem, vem de boa temporada e com certeza poderia mostrar utilidade no elenco.


Infelizmente, mais uma vez a guerra política e a briga de egos do comando são-paulino prejudicam o clube. Não é a primeira vez que interesses pessoais são colocados à frente da instituição, e com certeza não será a última - nem com Leco e provavelmente nem com qualquer outro que assuma seu lugar.


É bom deixar claro que a ideia desse texto vai além das quatro linhas. Queria, sim, Maidana no elenco e brigando por oportunidades, mas a crítica maior é sobre a situação política são-paulina. A instituição agoniza a cada atitude pessoal mesquinha e que não pensa no melhor para o São Paulo Futebol Clube.


Gazeta Press
Gazeta Press

Zagueiro brilhou no Paraná: não tinha vaga no elenco de Dorival?