Ao escolher ficar no São Paulo, Rodrigo Caio mostra amor e lealdade ao clube

Nos tempos modernos, é comum vermos jogadores saírem dos clubes sem nem estrear na equipe profissional, como muitas vezes aconteceu no próprio São Paulo. Isso sem contar os atletas que acumulam várias equipes em seus currículos e nenhuma identificação com os clubes que passaram. Quando alguém rejeita uma valiosa proposta do futebol europeu para se manter no time de coração geralmente é taxado de maluco ou cai de vez nas graças da torcida. Rodrigo Caio, no entanto, não está em nenhum dos lados.

Na tarde desta terça-feira (6), Rodrigo Caio admitiu em uma entrevista que poderia ter saído do São Paulo na última janela de transferência após receber uma proposta de 18 milhões de euros feita pela Real Sociedad, da Espanha. O zagueiro diz que o desejo de atuar na próxima Copa do Mundo pesou em sua decisão, mas também disse que gostaria de ficar no São Paulo porque foi o clube que abriu as portas para várias oportunidades em sua carreira. Não foi a primeira vez que uma negociação fracassou por decisão do atleta, pois o Zenit também tentou contratá-lo no último ano e não conseguiu.

São-paulino de coração, Rodrigo nunca escondeu seu orgulho e sua satisfação ao defender o Tricolor. Passou bem pela base, quando jogou como volante, mas chegou no profissional em uma situação complicada. Seu primeiro jogo foi um clássico contra o Corinthians quando todos jogaram mal, mas ele ficou marcado pelo drible humilhante sofrido em um dos gols naquele triste dia. Era também o início dos resultados ruins do clube, cada vez mais afundado em crises políticas.


Gazeta Press
Gazeta Press

São-paulino de coração, Rodrigo Caio está no clube desde a base


Depois de tantos anos, podemos dizer que Arboleda e Anderson Martins, por enquanto, são os melhores companheiros de zaga que Rodrigo Caio teve no São Paulo. Sendo assim, muitos gols foram sofridos, falhas aconteceram, derrotas fizeram parte do cotidiano. Mesmo assim, ele nunca se escondeu. Teve hombridade para assumir os atos no polêmico incidente do fair play com Jô, quando ele provou a todos o enorme caráter que possui, assim como nunca fugiu das entrevistas nos momentos complicados enquanto muitos jogadores ditos importantes fugiam pelos fundos e não davam a cara a tapa. Quando você ama muito algo ou alguém não se omite, não deixa as coisas passarem.

Ao recusar a proposta espanhola, Rodrigo Caio mostrou que tem o mínimo de respeito pelo São Paulo. Em 2015, foi levado para fazer testes médicos no Valencia e no Atlético de Madrid por insistência do então presidente Carlos Miguel Aidar, que queria desmanchar o elenco e levar comissões nas negociações. Ao ficar, acabou ganhando respeito dos que lá estavam e admiração de parte da torcida. Infelizmente preconceitos bobos dos torcedores encheram o saco do atleta em muitos momentos, como a implicância com o nome, com o rosto, com o lado “bom moço” dele. Nada de errado para a maioria, mas o são-paulino tem que ser chato na essência e implicar com aqueles que são bons.

Um dia, Rodrigo Caio provavelmente sairá do São Paulo. Todos sonham em sair para o futebol europeu e ele não é diferente. O ponto é que ele sabe respeitar o momento, do clube e dele como jogador, e ajudar como for preciso. Neste momento, o zagueiro é muito importante no elenco e esperamos que consiga dar um pouco de alegria para os tantos que enchem seu saco, mas passaram para Xandão, Edson Silva, Jean Rolt, Luiz Eduardo, João Felipe, entre outros.

Obrigado por ficar, Rodrigo Caio, são poucos que respeitam esse clube nos últimos anos e você se mostra diferenciado por um pequeno ato, mas que vale muitos pontos com a torcida.