Com foco só na Copa do Mundo, Cueva vira um problema para o São Paulo

Todo mundo sabe que 2018 é ano de Copa do Mundo. Os álbuns estão sendo preenchidos com figurinhas, as tabelas estão sendo divulgadas por várias lojas, ruas vão aos poucos sendo decoradas e os amigos vão montando as apostas. O clima da competição chegou para todo mundo, inclusive para Cueva, o meia do São Paulo. De olho na Rússia, o jogador esqueceu que ainda tem um período no Brasil e simplesmente abandonou o futebol até embarcar com a seleção peruana.

Cueva é, há anos, figura carimbada na seleção do Peru. Quando foi contratado, inclusive, estava defendendo seu país na Copa América Centenário. Logo, sua ausência nas próximas semanas dependia apenas de uma possível classificação peruana. Superando as expectativas, isso aconteceu. Méritos para Cueva e os demais jogadores. O problema é que isso tirou o seu foco do São Paulo, agora tudo é Copa para o meia.

Em anos anteriores, o jogador mostrou um certo desinteresse pelo clube. Forçou saída, ficou de fora de partidas importantes e se escondeu em alguns momentos difíceis. O vídeo tomando cerveja antes de um apagado clássico ficou marcado. No início de 2018, o peruano se atrasou na reapresentação e ficou fora de algumas partidas do Campeonato Paulista, sendo escalado como reserva e entrando durante os jogos. A notícia que corria era que estava interessado em uma proposta chinesa e desejava sair. Como ficou mais uma vez por aqui, fez gol de pênalti (um dos dois marcados na temporada) e pediu perdão, mas não funcionou bem.


Gazeta Press
Gazeta Press

É, Cueva, não está fácil te ver jogar


Hoje, Cueva é mais um displicente no elenco tricolor. Andando em campo e claramente fora de forma, não ajuda na marcação e passa longe de ser aquele jogador inspirado no ataque. O banco de reservas virou cada vez mais o habitat do jogador que tem medo de dividir a bola em campo e se preserva a todo momento, honrando cada vez menos a camisa do clube que paga seus salários. Cueva só pensa na Copa do Mundo desde que seu país conseguiu a vaga, em novembro do ano passado. A obsessão de Cueva pelo Mundial virou um pesadelo para o São Paulo.

Depois de conseguir mais uma vez segurar o jogador, o clube fez um acordo apalavrado de que o venderia após o torneio, no meio deste ano, para escolher outro clube. Mesmo assim, ainda tem que aguentar um bom período com o meia enrolando e gastando a paciência da torcida aqui no Brasil. Tudo isso para que ele e o Peru façam um breve passeio pela Rússia e sejam eliminados após três míseros jogos da fase de grupos.

Enquanto alguns preferem defender o atleta e lembrar de quando ele foi importante, o São Paulo vai enfrentando problemas para se encontrar ofensivamente, inclusive pela omissão de Cueva em campo. No fim das contas, será só mais um a sair sem deixar saudade.