O São Paulo vai sentir a ausência do polivalente Marcos Guilherme

A vitória no clássico apareceu. O placar foi magro, a vitória veio na marra, Diego Souza acertou uma única jogada (e nem precisava mais do que isso), mas nos dar os três pontos. Sensação boa, sim, mas quero tocar em outro assunto nesse texto. Para ser mais exato, vou focar em um jogador: Marcos Guilherme. Sim, ele será o motivo desse texto, lamento desapontá-los.


Marcos Guilherme está de saída, infelizmente. Sei que muitos não gostam dele, principalmente pelo fato de não fazer muitos gols, mas a importância tática dele na equipe é algo importante que só o outro ponta, Everton, mostrou até agora. Até por isso ele colocou Valdivia no banco neste clássico, ou ainda não deu a rodagem necessária para os jovens da base que muitas vezes são mais importantes no ataque e estão pedindo passagem.


O futebol atual exige jogadores versáteis, inclusive os ofensivos. Ser meia ou atacante, na nossa cabeça, é dar dribles, assistências e fazer gols. Dono de uma velocidade impressionante, Marcos Guilherme talvez falhe em muitos desses pontos, é verdade, mas a sua determinação em campo acaba compensando muitos problemas que ele apresenta.


No clássico contra o Santos, segundo o Footstats, Marcos Guilherme foi – ao lado de Hudson – o jogador que mais fez desarmes na partida. Foram cinco roubadas de bola do jogador. O lance que mais me marcou foi ainda no primeiro tempo, quando o Santos organizou um contra-ataque após escanteio tricolor. Marcos Guilherme voltou para ajudar, brigou de cabeça mesmo sendo baixinho, e atravessou o campo atrás de um rebote. Várias vezes ele cobriu falhas de companheiros e deu trabalho para o Santos atacar em seu lado do campo.


Gazeta Press
Gazeta Press

Marcos Guilherme não é craque, nem gênio, mas ajuda muito durante os 90 minutos




Mesmo assim, o jogador não fez gol. E isso talvez incomode muitos torcedores são-paulinos. Provavelmente eles acham que Marcos Guilherme não presta apenas por conta disso, afinal, só os números importam para eles. Não é bem assim, pois o jogador tem o papel bem importante no elenco. Se esforçando em quase todas as partidas, não é raro vê-lo com dores nos minutos finais, já sem condições, até pelo tanto que correu. E ajudou, claro.


Longe de ser craque, pois poucos são no futebol brasileiro atual, ele se esforça. Nem sempre o talento vai prevalecer, mas é um dom importante, ainda mais aliado com determinação. Ninguém vai fazer nada se esperar as coisas caindo do céu. Isso, pelo menos, Marcos Guilherme já entendeu. Quando chegou ao clube, admito que torci o nariz, mas ele foi importante no esquema de Dorival que ajudou na recuperação do Brasileirão 2017, com gols importantes contra Sport e Botafogo, por exemplo.


O Atlético-PR não aceitou o valor oferecido pelo São Paulo e, por isso, o empréstimo de Marcos Guilherme deve acabar em breve. Um problema a mais para a cabeça de Aguirre, apesar de que a entrada de Valdivia nessa vaga seja quase certa. Mais um que se vai, mais um que perdemos de bobeira. Mas o atacante pode sair tranquilo, apesar da falta de títulos, ele não decepcionou por aqui.