Por que Nenê e Diego Souza caíram de rendimento após a pausa para a Copa?

Se você olhar com calma os últimos cinco jogos do São Paulo no Brasileirão, especialmente os resultados, verá uma equipe em alta. São quatro vitórias e uma derrota nesse período, sequência que colocou o time na liderança do campeonato. Apesar desses números, alguns jogadores talvez não estejam correspondendo o esperado, principalmente a dupla Nenê e Diego Souza.


Nenê e Diego Souza são os artilheiros do Tricolor nesta edição do Brasileirão, pelo menos até o momento, com seis gols cada. Após a pausa para a Copa do Mundo, no entanto, apenas dois gols foram feitos pela dupla, ambos marcados pelo camisa 9, contra Grêmio e Cruzeiro. Se contarmos as assistências, apenas Nenê deu uma, na vitória contra o Corinthians. Pegando apenas esses fundamentos, vemos que a dupla teve uma ligeira queda nas últimas partidas, enquanto os contratados Everton e Rojas tiveram melhores números.


Pela idade que tem (37 anos), é normal que Nenê oscile durante momentos da temporada. Seus últimos jogos antes da Copa do Mundo foram bons e deram segurança para o torcedor são-paulino, sendo a referência no setor ofensivo. Recentemente, no entanto, o rendimento voltou a cair. Nas últimas seis partidas do São Paulo, foi comum não notar a presença do meia tricolor em campo, apagado e, muitas vezes, distantes da função de criar jogadas. Lembramos, claro, nas bolas paradas, tanto que assim deu sua única assistência no pós-Copa. De resto, fez muito pouco, tanto que tem sido substituído com frequência por outros atletas.


Gazeta Press
Gazeta Press

Diego Souza caído e reclamando com o árbitro: a cena mais vista no São Paulo recentemente


Diego Souza, por mais que tenha marcado alguns gols na temporada e ajudado em momentos importantes, continua sendo o mesmo jogador disperso e preguiçoso com a camisa do São Paulo. Lento, não consegue dar velocidade para o ataque. Para piorar, não consegue ganhar as jogadas dos zagueiros adversários, mesmo com sua força e seu corpo largo. Dominar a bola continua sendo uma dificuldade e tanta. Nem mesmo os gols contra Cruzeiro e Grêmio mudaram a percepção de boa parte da torcida sobre o atacante e as sombras de Tréllez e Carneiro aumentam a cada dia, principalmente após o jogo contra o Vasco, quando ambos entraram muito bem em campo. Na Sul-Americana, foi patético agredindo um adversário e quase prejudicou ainda mais a equipe com seu estilo pilhado.


A ascensão de Everton e Rojas no pós-Copa, com gols e assistências, também ajudaram a ofuscar um pouco a dupla Nenê e Diego Souza. Os recém-contratados deram uma boa cara para o Tricolor com o estilo que tanto agrada Aguirre, principalmente a velocidade a ser explorada nos contra-ataques. Hoje, são peças mais importantes nas partidas da equipe.


Não estou aqui para cornetar os dois ou tentar criar problemas, ainda mais com o São Paulo na liderança, mas para constatar uma queda de rendimento de ambos no pós-Copa e que podem atrapalhar a equipe. Se o Tricolor atingiu um bom nível e o topo da tabela com muito suor, vai ter que se esforçar ainda mais para se manter por lá e esses dois experientes atletas terão um papel fundamental nessa complicada missão, por isso é bom que eles voltem a jogar bem o mais rápido possível.