Após a saída de Militão, Rodrigo Caio pode ser a solução para a lateral direita do São Paulo

A saída de Militão era inevitável e o São Paulo ainda trabalhou bem nos bastidores, garantindo algum tipo de compensação financeira do Porto. Venda feita, era hora de acertar a posição. Bruno Peres foi contratado, mas ainda não empolgou. Régis é esforçado, mas não tem qualidade técnica, infelizmente. A lateral direita virou uma grande incógnita, sem que alguém de fato a acertasse. A solução usada contra o América-MG, de usar Rodrigo Caio, não é estranha e, convenhamos, não é equivocada. Essa pode ser a resposta para os problemas.


Militão começou a carreira como zagueiro. Alto, tinha boa impulsão e uma velocidade considerável. Sua mudança de posição caiu como uma luva para um São Paulo que sofria para encontrar um boa lateral-direito. Seu sucesso foi uma surpresa pela falta de hábito com a posição, mas não pela notável qualidade técnica do jogador. Foi bem, ganhou destaque e saiu do clube, como todo grande jogador.


Bruno Peres chegou ao Tricolor antes mesmo da saída de Militão, mostrando que o clube já considerava a venda inevitável. Sem Régis, então com problemas particulares, parecia a solução para a posição. Bruno, no entanto, é muito mais ofensivo do que defensivo. Nos jogos que atuou, deixou grandes espaços em sua lateral e o São Paulo sofreu sustos desnecessários por sua causa. No ataque, não compromete tanto e até chegou a jogar de ponta contra o Ceará, marcando o gol da vitória. Régis, coitado, precisa melhorar muito tecnicamente, mas é muito esforçado, como vimos contra o Fluminense. Não é a solução, está bem longe disso, sinceramente.


Gazeta Press
Gazeta Press

Contra o América-MG, Rodrigo Caio surgiu como mais uma opção na lateral


Contra o América-MG, então, surgiu Rodrigo Caio. Sim, ele, o perseguido da torcida, o culpado de todas as falhas que já aconteceram na história do clube, o pior jogador que já vestiu a camisa do São Paulo Futebol Clube. O zagueiro, que também já foi volante, atuou algumas vezes na lateral em 2012, mas sem grande destaque, especialmente porque estava subindo da base.


A ideia de colocar Rodrigo Caio na lateral é claramente para reforçar a marcação do time naquele setor e, em muitos casos, liberar mais as descidas de Reinaldo pelo lado esquerdo, fazendo com que três zagueiros atuem na zaga. Não esperem que ele seja um primor ofensivamente porque isso não vai acontecer. O próprio Militão demorou um bom tempo para começar a avançar em campo e se arriscar em cruzamentos, algo que continua não sendo sua especialidade. Mas a ideia de melhorar a zaga e ajeitar o time em um setor que está desequilibrado desde a perda do titular é fundamental. Além disso, o time ganha mais uma opção nas bolas paradas, sejam elas ofensivas ou defensivas.


Rodrigo Caio vai continuar sendo criticado, pois boa parte da torcida tem isso como esporte. Não vi falha dele no gol do América, mesmo que muitos tenham bradado nas redes sociais que ele errou em tudo no lance. Enfim, parece que Aguirre ganhou mais uma opção para uma carente posição, especialmente na parte defensiva. A diferença é que o jogo não pedia isso, mas um pouco mais de velocidade desde o início, como Régis poderia fazer. Um erro do treinador que pode ser ajustado nos próximos jogos.