De empate em empate, o São Paulo murcha e vira coadjuvante na briga pelo Brasileirão

Lembra quando o São Paulo assumiu a liderança do campeonato após uma complicada sequência de jogos? Pois é. Aí veio o encontro contra o lanterna do Brasileirão na primeira rodada do returno. Empate. E muitos outros empates apareceram no caminho, contra Fluminense, América e Botafogo. Pontos desperdiçados de maneira tola e que agora fazem muita falta para uma equipe que perdeu duas posições nessa rodada e caiu para o terceiro lugar.

Nas próximas rodadas, o São Paulo tem duelos contra Palmeiras e Internacional, só isso. Sim, as duas equipes que, hoje, dividem a liderança do Brasileirão. E se o Tricolor não consegue ganhar das equipes mais fracas, quem garante que vencerá os melhores do torneio?

“Ah, mas é o Clube da Fé, precisamos nos apoiar nisso...”

Justo, justo. Mas eu teria fé no São Paulo se a equipe mostrasse algo para eu me apegar. Na fase pós-Copa, a equipe mostrou exatamente isso contra Flamengo, Corinthians e Cruzeiro, por exemplo, mas hoje tudo mudou.

Enquanto os vídeos engraçadinhos e os copos dos ídolos bombam no Morumbi e nas redes sociais, o futebol dos jogadores vai desaparecendo pouco a pouco. O antes favorito virou um mero cavalo paraguaio, um coadjuvante enquanto os outros brigam pela taça.

“Ah, mas empatou, ainda está na briga...”

E por quanto tempo vocês acham que o São Paulo se sustenta assim com esse futebol pobre? No segundo turno, apenas UMA vitória. E foi pela contagem mínima, em casa, contra o Ceará. Sério que é assim que vocês querem me convencer a ter fé nesse elenco? Desculpa, mas falta muito mais. Olhem os gols sofridos contra o Botafogo, foram amadores, isso sem contar na falta de chances criadas por uns 75 minutos de partida e o ridículo gol perdido no último lance.

O São Paulo de hoje é um arremedo de time. Nene sumiu com a camisa 10, Everton faz uma falta imensa, a defesa voltou a bater cabeça como no começo do ano e a produção ofensiva despencou. Não há corda para nos segurarmos enquanto os rivais passam embalados, com vitórias e moral.

“Ah, mas a arbitragem ajudou tal equipe...”

É, é verdade. Mas se o São Paulo tivesse feito a sua parte nos jogos mais fáceis, nada disso seria lembrado e a liderança, talvez, ainda fosse nossa. Não adianta apontar o dedo para lá e esquecer dos problemas de cá.


Rubens Chiri/saopaulofc.net
Rubens Chiri/saopaulofc.net

Carneiro, coitado, é um caneludo esforçado. Pelo menos conseguiu fazer um golzinho, né?