Sempre perseguido e atacado, Rodrigo Caio errou e acertou em seu sincericídio

Rodrigo Caio sempre foi criticado pela torcida do São Paulo. Taxado como "jogador de condomínio", era alvo com frequência, diziam que não estava apto a jogar num time dessa grandeza - mesmo que a grandeza tricolor tenha se escondido nos últimos anos. Sempre correto, nunca fugiu e sempre deu a cara para levar todos os tapas possíveis. Porradas não faltaram, é verdade, mas o jogador sempre esteve lá, firme e forte. Na última segunda-feira (3), em entrevista ao canal Esporte Interativo, porém, ele explodiu. Antes tarde do que nunca, mesmo com erros e acertos.

Na entrevista, Rodrigo Caio disse que Aguirre era muito fechado e que não dava feedback. Outro fato que o incomodou foi de jogar improvisado na lateral. Nesse ponto, vejo os erros e acertos. Se faltou comunicação do treinador, também faltou do jogador, pois não custava nada chegar em Aguirre e perguntar os motivos que estavam lhe incomodando. Se comunicar é um caminho duplo: se faltou de um lado, falta do outro também. Ao mesmo tempo, é compreensível a chateação de jogar improvisado - ainda mais sendo um jogador naturalmente perseguido pela torcida - enquanto Anderson Martins, por exemplo, fazia um péssimo segundo turno.

Por outro lado, Rodrigo Caio acerta ao reclamar de sempre ser colocado como o culpado. Nos anos em que atuou no clube, jogou com diversos bagres e sempre se destacou. Para a torcida carente, no entanto, era o culpado de tudo. Já teve até gente dizendo que o time só deixou de ser campeão por sua presença no elenco, ou seja, uma tremenda covardia com o atleta. Mesmo assim, sempre era ele quem dava a cara para tapa nas entrevistas e segurava os rojões. Aguentou firme e forte até ontem, normal, antes tarde do que nunca.


Gazeta Press
Gazeta Press

Rodrigo Caio explodiu e, mesmo sincero, ainda ouviu críticas




Rodrigo nunca teve a chance de jogar em um São Paulo organizado. Por mais que o time fosse bom em campo, como 2014 e 2015, por exemplo, os bastidores sempre foram bagunçados, com constantes polêmicas e trocas de técnicos. Mesmo assim, a culpa sempre caiu em seus ombros e ele está correto em explodir com a torcida tricolor. O fato de ter citado outros atletas que saíram do Morumbi e conqusitaram títulos é notável. Maicon, o exemplo usado, é um dos que mais uso, principalmente porque o considerava um atleta importante no elenco, mas que não ganhava aplausos por não ser o que mais corria em campo, mesmo em bons jogos.

Apesar de ter falado demais, e talvez não no melhor dos momentos, Rodrigo Caio teve seus motivos para estourar dessa maneira. Sempre perseguido, xingado e atacado, ele queria falar tudo aquilo. Errou? Normal, faz parte. Acertou? OK, segue a vida. A vida não quis que o são-paulino Rodrigo Caio brilhasse no clube, mas ainda há tempo para ele reescrever sua carreira bem longe dessa bagunça.