A sequência de erros que atormenta o São Paulo no início da temporada

O blog Terror do Morumbi convidou a colega Larissa Raysel para escrever esse texto. Em breve, voltaremos com a programação normal.


Dia 31 de janeiro e o São Paulo Futebol Clube se vê, sabe Deus por quê, indo em direção a mais uma crise. Ao menos é o que parece quando se olha para as arquibancadas e para as redes sociais tricolores ao fim de São Paulo 0 x 1 Guarani.


Queria muito que o motivo desse escarcéu generalizado fosse apenas um. Seria mais fácil de resolver e muito provavelmente não consumiria tanto da minha saúde e paciência.


Por ordem cronológica, tentarei elencar os motivos pelos quais estamos terminando JANEIRO já ouvindo que tem que demitir todo mundo.


1) 2018 - JARDINE ASSUME O COMANDO


Até hoje não sei por que cargas d'água, Raí disse em coletiva que "avaliaria o todo, não apenas um ou dois jogos" de Aguirre, mas o demitiu nem 48 horas depois. Ao tomar uma decisão dessa que, combinada com a entrevista supracitada, me soa completamente injustificável e feita no calor do momento. Por causa disso, jogou o Jardine em uma fogueira bem alta: precisava fazer bons 5 jogos para garantir a vaga na fase de grupos, mas não teve tempo para treinar o time e adequá-lo ao seu estilo de jogo. Vale lembrar que, embora fosse auxiliar técnico, quem estava no comando era o Aguirre, então estar no CT todos os dias importa muito pouco ou nada.


2) AS CONTRATAÇÕES DE PESO


Pablo, Thiago Volpi e Hernanes são baita contratações e quanto a isso não há discussão. Pablo chega para mostrar a diferença que faz ter um centroavante participativo. Volpi chega para suprir nossa necessidade já antiga de goleiro. Hernanes, provavelmente a maior contratação do ano, chega para, além de jogar bola, mostrar o tamanho do São Paulo ao time e ser um líder dentro de campo.


Nenhuma dessas contratações, porém, veio para "salvar a lavoura". Muita da decepção que parte da torcida sente agora se deve ao fato de ter apostado todas as fichas nesses nomes, esquecendo que futebol é coletivo e ninguém joga sozinho. Mais que isso: sem trabalho, sem tempo, sem paz, nenhum trabalho será bem feito.


3) A GLORIOSA FLORIDA CUP


Para começo de qualquer conversa, é bom lembrar que não era nem para ter ido para a Flórida. Não era para ter pisado lá. Por conta de viagens, perdemos tempo precioso de treino aqui. Mas beleza, foi. E o que a grande parte da torcida parece ter esquecido é que esse torneio É UM TORNEIO DE PRÉ-TEMPORADA. Trocando em miúdos: tanto faz o resultado dos jogos. Já que foi pra lá, é para aproveitar o tempo e aplicar a filosofia ao time, testar as peças e deixar que elas se conheçam também.


E o que era para ter sido uns jogos para treinar o time virou um desespero, já que foram até xingar o coitado do Volpi que chegou ontem aqui. Vale lembrar que nesse mesmo torneio, o SIDÃO foi eleito o jogador da competição. Sob o comando de nosso Deus, Rogério Ceni, fomos campeões em um ano que, depois, passou a virar um pesadelo. Ou seja: Florida Cup não vale nada.


4) OS DOIS PRIMEIROS JOGOS DO PAULISTA


As partidas contra Mirassol e Novorizontino, talvez pelo placar elástico, deixaram a falsa sensação de que já estava tudo bem. Veja só: o time "ruim, que não presta para nada" da Flórida Cup agora já era tido por alguns poucos como uns dos melhores do Brasil. Não deu tempo nem de desfazer as malas dos Estados Unidos e já fomos de ruim para caramba a um dos melhores. É de se duvidar da sanidade mental desse pessoal.


5) OS ÚLTIMOS DOIS JOGOS DO PAULISTA (ATÉ AGORA)


Mas é claro que essa montanha-russa citada no tópico anterior não podia parar aí. Depois de duas derrotas, o time já voltou a ser "uma merda, que tem um estagiário no comando". Dá pra perceber como vai virando uma bola de neve?


Assim como os dois primeiros jogos da temporada não são decisivos para dizer que o time presta, os jogos contra Santos (de um excelente Sampaoli) e Guarani também não podem ser usados para cravar que ninguém ali é bom. Sobre o Sampaoli, aliás, um adendo: infelizmente, só existe um. E o cara é um absurdo. Era esperado que, taticamente, o Santos se sobressaísse. Isso não significa que o Jardine é ruim. Ele é um técnico novo. Aclamado quando estava na base, aliás. Não há como comparar o conhecimento de ambos, mas o fato de o técnico tricolor não estar "à altura" do outro é óbvio e em nada desmerece o trabalho feito até aqui.


6) A ESCALAÇÃO VS. GUARANI


Campeonato Paulista, para mim, é tão pré-temporada quanto a Florida Cup. Agora é que o bicho pega pra todo lado. Porque se não bota o time titular até no amistoso contra o sub 15 do bairro aqui de casa, "o São Paulo está com medo, tem que jogar como time grande". Pois bem. Colocaram o time titular. Acabamos com Liziero e Jucilei machucados, faltando menos de uma semana para uma decisão.


Decisão essa, contra o o Talleres, que vale a pena lembrar: não fosse a tiriça de uma jogadores aí, alguns até com copo para a torcida, provavelmente estaríamos na fase de grupos, sem precisar ir para uma decisão sem um time pronto. E só para deixar claro: humanamente impossível deixar um time pronto sem pré-temporada e com uma torcida que não admite o mínimo desvio, a mínima falha, o mínimo ajuste.


Isso, claro, que terminamos "só" com dois machucados. Além de termos corrido o risco de machucar mais gente, jogamos ainda mais pressão pra cima de absolutamente todo mundo. O time argentino vai descansado para a partida, com 5 dias de descanso e treino, ao contrário de nós, que vamos chegar na madrugada de terça-feira. Mas tá certinho, sim, botar os titulares. AH! E ainda tem jogo domingo, né?


É tanta coisa errada, tudo junto, que eu provavelmente esqueci de alguma coisa. Quanto ao jogo do Guarani, foi provavelmente o pior dentre os do Paulista até aqui. Time perdido, sem criatividade e abusando de cruzamentos. E agora ficamos na dependência dos resultados dos exames de Jucilei e Liziero, porque ainda pode acontecer de ter que treinar um time bem diferente para a decisão de quarta.


E se você quer gritar que "tá cansado de ficar na fila, já são não sei quantos anos esperando, eu quero título!!!!!" é bom lembrar que nem Raí, nem Jardine, nem TODOS OS JOGADORES DO ELENCO estão há tantos anos assim para carregarem toda essa culpa nas costas.


Eles merecem algumas críticas, sim, algumas citadas aqui, mas ficar berrando só para berrar, não vai ajudar em nada o clube. Para que a gente possa se reerguer de vez, é preciso calma, paciência e raciocínio. Imediatismo nunca salvou ninguém.