Nascido do Impossível

GettyImages




GettyImages

A torcida argentina começa a chegar à Russia e faz barulho com uma versão de "Imposible" da banda argentina Callejeros, que por sua vez tem em Jorge Sampaoli um de seus mais ilustres fãs.


Há cerca de quatro anos, recebi um vídeo gravado por um amigo, que estava na Praça da Savassi, em Belo Horizonte, tomada (ou copada) pela torcida argentina que chegava à capital mineira para ficar perto de sua seleção, hospedada no CT do Atlético-MG. No vídeo, a torcida entoava uma versão de “Bad Moon Rising”, da banda norte-americana Creedence, que já tinha ecoado pelas praias de Copacabana e embalou a seleção até a final da Copa 2014. “Decime que se siente” foi sem dúvida o hit daquele Mundial. O vídeo era acompanhado por um comentário: “com uma torcida assim, é impossível perder a Copa”. Meu amigo quase acertou daquela vez.


Em junho de 2018, a sensação é que é impossível que a Argentina ganhe a Copa. Preparação mal-feita e conturbada por polêmicas, lesões de titulares importantes, viagem no avião de Mick Jagger. Dos mesmos criadores de “Lavezzi fumou maconha na concentração” temos hoje “Sampaoli assediou uma cozinheira”. Pensar que esse time desorientado entra no mesmo torneio do revigorado Brasil de Tite, da precisão matemática da Alemanha e dos 14 anos de trabalho de Joachim Löw, do entrosamento milimétrico da Espanha, da juventude rápida e explosiva da França. Impossível.


Impossível. Ou Imposible é também o nome de uma música da banda argentina Callejeros, cuja versão desenvolvida em um grupo de whatsapp de torcedores cordobeses que se preparavam para ir à Russia ver a Copa pinta como a favorita para carro-chefe da hinchada argentina em 2018. À medida que os torcedores argentinos se espalham pelas ruas das cidades russas, vão surgindo vídeos nas redes sociais com a música que já parece ter alcançado a viralidade necessária para que ela seja escutada como plano de fundo dos jogos da Argentina.


Segue aqui um link para um vídeo do You Tube com a música (provavelmente um ensaio dos torcedores cordobeses criadores da letra) e no final deste texto a letra traduzida. Já adianto um breve comentário: por mais que seja brincadeira, sou contra tirar sarro do rival quando seu time está em tamanha inferioridade histórica em nível de conquistas, sobretudo quando parece ser impossível diminuir o prejuízo em um futuro próximo.


A versão cântico ainda não tem título, provavelmente ganhará um durante a Copa. Mas nasceu do impossível e fala sobre o impossível. Sorte de Sampaoli e dos argentinos que cantarão a música em todo Mundo ter em seu time um sujeito que fez o impossível pela primeira vez aos 13 anos, quando disseram que ele era pequeno demais para ser jogador profissional e que jamais superaria um problema crônico de crescimento.


El Otro Carlitos

No importa donde sea El Mundial \ Não importa onde seja a Copa


Igual te seguimos \ Te seguiremos do mesmo jeito


Y todos juntos vamos a festejar \ E todos juntos vamos festejar


La Plaza Roja vamos a copar \ A Praça Vermelha vamos lotar


Todos los Brazucas se pondrán a llorar \ Todos os brasileiros irão chorar


Porque este año La Copa se la lleva Papá \ Porque esse ano quem leva a Copa é o "Papai"


Vinimos todos juntos a Rusia a alentar a Argentina \ Viemos todos juntos à Rússia torcer pela Argentina


Dejando muchas cosas de lado para verte a vos \ Deixando muitas coisa de lado para te ver


La banda nunca se olvidará de lãs Islas Malvinas \ A turma nunca se esquecerá das Ilhas Malvinas


Y ya Le demostró al Mundo entero lo que es la pasión \ E já demonstrou ao Mundo inteiro o que é a paixão


Ganar La Copa Del Mundo es lo que imagino \ Ganhar a Copa do Mundo é o que imagino


Los jugadores dejando la vida em cada partido \ Os jogadores dando a vida em cada partida