Na Copa da Rússia, pode cair um tabu que dura 311 anos

Gonza Rodriguez | Ilustrador
Gonza Rodriguez | Ilustrador

Ensine para todos eles, Adenor. Ilustração de Gonza Rodriguez


Os livros de História nos dizem que o solo sagrado da Mãe Rússia jamais foi conquistado pelo inimigo estrangeiro. Ou seja, já temos aqui um tabu para ser quebrado.


Carlos XII da Suécia marchou sobre a Rússia na Grande Guerra do Norte em 1707. Esse rei sueco, que era uma espécie de Zlatan Ibrahimovic do generalato, conquistou importantes vitórias. Porém, seu exército foi aniquilado em Poltava, acabando com o projeto da Suécia como grande nação (conquistadora) europeia.


Napoleão Bonaparte, por sua vez, chegou a tomar Moscou e passar uma noite no próprio Kremilin, cabra bom. Contudo, sua desastrosa retirada sob os açoites do menino General Inverno foi o começo do fim de seu Império.


O último a tentar foi Hitler, antes de morrer metralhado naquele teatro (se Tarantino falou, é porque é verdade). Foi último a fracassar também. Os temidos Panzers congelaram e afundaram na lama e a Operação Barbarossa não obteve mais êxito que as Invasões anteriores.


Adenor, primeiro de seu nome, rei da professoragem e do volta pra marcar, será o quinto general a tentar a façanha de conquistar a Rússia. Como vocês já sentiram, a tarefa não será nada fácil. Os russos têm, de fato, um grande orgulho dessa invencibilidade. O goleirão General Inverno não toma um gol desde meados de 1700, que paredão.


É tanto orgulho que construíram, em Volgogrado, uma gigantesca estátua chamada Motherland Calls*. Notem que Volgogrado (antiga Stalingrado) foi uma das cidades que mais sofreu com a invasão alemã na Segunda Guerra Mundial e a sua resistência e seu sacrifício heroicos ainda inspiram respeito e gratidão em toda a nação.


Voltando a falar do comandante Adenor Leonardo Bachi e de sua missão (não


Getty Images
Getty Images

O Chamado da mãe pátria, a gigantesca vênus soviética, erguida em homenagem aos defensores do solo russo


que nossa pretensão seja colocar mais pressão nas costas do menino, longe disso), eu digo sem medo de errar que (para o bem ou para o mal) a história seria outra se Hitler ou Napoleão tivessem Casemiro e Renato Augusto na cabeça de área, deixando Neymar, Coutinho e Gabriel livres para criar as jogadas e um centroavante matador como Paulinho lá na frente. Como faz gols esse nosso Paulinho, o falso 15.



É bom dizer, entretanto, que dessa vez a própria Rússia, a anfitriã, será o menor dos nossos problemas, se é que chegaremos a enfrentá-los em algum momento da campanha. Muito mais preocupante são os alemães, os franceses e até mesmo os desacreditados portugueses, espanhóis e argentinos.


A Copa do Mundo é um tiro muito curto. O universo já demonstrou, em mais de uma ocasião, que é capaz de armar uma zebra para uma única arrancada triunfal com potencial de levá-la a cruzar essa linha de chegada antes de todas as outras. E vale lembrar que Portugal tem o Robozão™ Cristiano Ronaldo e a Argentina tem Messi, que são atiradores tão precisos quanto o nosso Neymar. Os espanhóis têm alguma coisa que eu não sei o que é, mas faz com que sempre sejam lembrados na hora de falar dos favoritos (deve ser algum item mágico, sei lá). E os alemães têm todo aquele arsenal que vimos, e sentimos, na última Copa, que é grande, mas (é bom e justo que se diga) não é maior que o nosso desejo de ir à forra.


Adenor, por sua vez, sabe que alguns desses cachorros grandes acabarão devorando-se entre si. Isso o fará poupar seus homens para os grandes desafios que podem pintar a partir das oitavas. É preciso respeitar sempre o mata-mata de uma Copa do Mundo, mas Adenor já provou que é capaz de motivar um grupo tornando-o apto para cumprir qualquer missão.


Enfim, em outras palavras, menos que a conquista do solo sagrado da Mãe Rússia por um Adenor sem camisa, calça camuflada e coturno, montado num grande urso marrom, eu nem comemoro.


Se for me prometer menos que isso, nem me chama para começar a pintar a rua.


____________________________


* Fiz questão de citar a estátua, pois, como Volgogrado é uma das sedes da Copa, logo todos os veículos estarão falando dessa maravilhosa vênus colossal de 91 metros de altura (porque, além de ser imensa, ela é bonita pra caralho mesmo) e vocês se lembrarão que ouviram falar dela primeiro aqui no nosso humílimo 90 milhões em Ação no ESPN FC.