Convocação final: Tite, ainda há tempo para surpresas?

Getty Images
Getty Images

Me leva pra Copa, Adenor. Por favor. Nunca te pedi nada...


Em time que está ganhando, o grupo está sempre fechado, mas, historicamente, a famosa lista de convocados para a Copa do Mundo sempre nos reserva uma surpresa de última hora.


Em 2010, todo mundo esperava Adriano Imperador e Ronaldinho, porém, para desespero dos caras que fizeram o álbum de figurinhas oficial da Copa, o então treinador Dunga apareceu com Kleberson e Grafite. Haja coração, amigos!


Em 2014, Felipão levou o zagueiro Henrique, de sorte que podemos dizer - quiçá sem risco - que a surpresinha da lista final de convocação para a Copa do Mundo já é tradição, senão vejamos:


2014 - Henrique
2010 - Kleberson e Grafite
2006 - Gilberto
2002 - Anderson Polga
1998 - Zé Carlos e Emerson para o lugar de Romário, cortado.
1994 - Ronaldão e Ronaldo, então Ronaldinho.


Além disso, tem aquele jogador que é tido como certo até o fim e na última hora acaba ficando de fora. Foi o caso de Djalminha, que depois de, supostamente, dar uma cabeçada no treinador do Deportivo La Coruña acabou preterido da cobiçada lista de Convocados para a Copa de 2002. Lamentável.


Será que este ano ainda há tempo para surpresas? Será que o nosso nunca assaz louvado Adenor ainda nos pode regalar uma convocação de última hora? Só o tempo dirá, mas dessa vez nem o próprio tempo tem muito tempo para dizer o que sabe. A Copa do mundo nunca esteve tão perto.


O time titular do Tite todo mundo (acha que) conhece:


Ederson; Daniel Alves, Miranda, Relâmpago Marquinhos e Marcelo; Casemiro, Renato Augusto, Coutinho e Neymar; Gabriel Jesus e Paulinho.


Paulinho, aliás, é o artilheiro do time: faz o pivôzão lá na frente e é por isso que eu gosto de chamá-lo de "o falso 15."


Por incresça que parível, aparentemente, só esses onze estão garantidos no Mundial. Se nos basearmos nas convocações, nos testes realizados e nas projeções, verificaremos que há muitos nomes selecionáveis para poucas vagas.


No gol, ainda disputam espaço Alisson, Weverton, Cássio e ele, claro, Alex the Wall, a.k.a, Muralha.


Nas laterais nos parece que Felipe Luis e Fágner são os preferidos de Tite, mas está cada vez mais difícil ignorar o que vêm jogando Danilo e Alex Sandro.


No lugar do Adenor, eu levaria Triguinho e Ruy Cabeção e o Brasil já entraria para jogar a final direito, me julguem.


Na zaga, Gil, Jemerson, Thiago Silva, Rodrigo Caio, Victor Hugo e Geromel, uns mais certos que outros, disputam duas vagas.


No meio campo, Fernandinho, Willian, Giuliano, Dudu, Lucas Lima, Scarpa, Rodriguinho e Diego tiveram chances de mostrar trabalho, mas a verdade é que nenhum deles brilhou a ponto de garantir a figurinha no álbum. Ainda mais que tem Arthur correndo por fora, mas jogando muita bola e merecendo uma convocação urgente: se vira aí, Adenor!


Os testes para o ataque foram vários, Diego Souza, Gabigol, Taison, Firmino, Douglas Costa, Tardelli e Luan. Ainda temos Richarlison, Talisca e Jonas tentando entrar no páreo, ignorando todas as apostas.


O fato é que em 4 meses tudo pode mudar até para quem já está com o passaporte carimbado. A Roda da Fortuna segue girando impassível aos anseios dos pobres mortais. Nesse exíguo espaço, muita coisa pode acontecer considerando um universo tão rico quanto o futebol brasileiro (melhor dizendo, o futebol jogado por brasileiros): alea jacta est.


Eu sou um cara apegado às tradições, por isso vou torcer para uma Copa do Mundo tradicional, como nos velhos tempos, sem novidades e sem modinhas, tudo como dever ser: povo na rua, calçada pintada com as cores do Brasil, enforcamentos, pontos facultativos e feriados, umas duas ou três surpresas na convocação final (Geromel, Arthur e Richarlison, chora, Panini), o atual campeão da Copa das Confederações zicado levando fumo, Argentina eliminada na primeira fase, uma sensação africana chegando às quartas de final, jogões e golaços e o Brasil campeão mais uma vez.


Copa do Mundo boa é assim, essa é que é a verdade.


Que comecem os jogos!