Notas e avaliações dos 17 jogadores do Brasil até aqui na Copa do Mundo

Terminada a fase de grupos da Copa do Mundo Rússia 2018! Como o esperado, o Brasil está classificado e com alguma autoridade em um grupo que se mostrou mais difícil que o prognóstico. 17 jogadores entraram em campo representando a Seleção Brasileira até aqui e avaliei a atuação de cada um deles.


Getty Images
Getty Images

A formação do Brasil contra Costa Rica e Sérvia.


Alisson (goleiro) - 6,5


Um dos estreantes em Copas e com uma senhora responsabilidade, Alisson sofreu apenas um gol em três partidas. Uma ótima marca, mas se olharmos os números mais de perto, veremos também que ele fez apenas duas defesas em toda a Copa do Mundo. Um chute fraco de Dzemaili contra a Suíça, e uma cabeçada difícil e perigosa de Mitrovic contra a Sérvia. No único gol sofrido, talvez pudesse ter saído no cruzamento, que morreu na pequena área, logo a sua frente. No último jogo, teve também uma saída esquisita em um cruzamento rasante que quase acabou em gol sérvio. Suas virtudes tem sido o jogo seguro com os pés e leitura perfeita para fazer a função de líbero. Sempre muito concentrado, Alisson já mostrou que pode ser confiável nas Eliminatórias e deve crescer no mata-mata.


Danilo (lateral-direito) - 6,0


No único jogo que fez no mundial, a estreia contra a Suíça, foi discreto e passou longe de comprometer. É ótimo na defesa, fechando o lado direito, mas quando o Brasil precisa propor o jogo e controlar a posse, ele não oferece grande opção. Depois, sofreu lesão muscular no quadril e cedeu lugar a Fagner. Mesmo em condições físicas plenas, não deve mais ser aproveitado como titular.


Fagner (lateral-direito) - 6,5


Entrou em uma gelada contra a Costa Rica. Estreando na Copa um jogo depois de todos os companheiros titulares e por um lado que sofreu críticas pela inoperância ofensiva. Foi bem, participou na construção das jogadas e ofereceu mais que Danilo. Sua conduta em campo, tachada de violenta por muitos analistas e jogadores brasileiros, não apareceu - e que continue assim. Tomou a posição de titular para si e pode evoluir mais.


Miranda (zagueiro) - 7,0


Para mim, o maior responsável pelo único gol sofrido pelo Brasil até aqui. Errou em seu posicionamento e deu as costas ao adversário, mas essa é uma raríssima falha de Miranda. O dono da camisa 3 é excelente zagueiro, vencedor e um dos líderes do grupo. Esteve perfeito em praticamente todos os outros lances. É o vice-líder de desarmes do Brasil ao lado de Gabriel Jesus, cinco cada um, e o jogador que mais afastou bolas adversárias. A dupla com Thiago Silva vem trabalhando em fina sintonia e passa uma segurança que não vejo há tempos na zaga brasileira.


Thiago Silva (zagueiro) - 8,0


Tremenda Copa do Mundo de Thiago Silva até aqui. Não começou o torneio como unanimidade e foi uma das principais mudanças de Tite, que sacou Marquinhos do time. A decisão de Adenor se mostrou sábia. Thiago vem desfilando técnica e tempo de bola na Rússia. Conhecido como o “Monstro” no meio esportivo, justificou o apelido contra a Sérvia ao salvar um gol praticamente em cima da linha e 5 minutos depois marcar o tento que garantiu a vitória brasileira. Se mantiver o nível, pode ser um dos personagens da Copa.


Marcelo (lateral-esquerdo) - 6,5


O multicampeão pelo Real Madrid chegou com a banca de ser o segundo melhor jogador do Brasil, para muitos até o melhor. Marcelo é craque mesmo. Portanto aqui o sarrafo deve ser alto. Sempre muito participativo e monopolizando a saída de bola ao formar o infernal trio com Coutinho e Neymar, achei que poderia ter rendido ainda mais. Mal contra a Suíça como quase todo o time, mas destaque contra a Costa Rica, quando cruzou precisamente no lance do primeiro gol e ao manter o psicológico intacto mesmo após toda a confusão com a arbitragem. Sentiu lesão na lombar logo nos primeiros minutos contra a Sérvia e viu Filipe Luís jogar muito bem. Desejo pronta recuperação ao camisa 12 por seu caráter decisivo e liderança técnica.


Filipe Luís (lateral-esquerdo) - 6,5


Jogou apenas contra a Sérvia, mas foi muito seguro e funcionou bem com Neymar, fazendo ultrapassagens e deixando o meio livre para o camisa 10. Tem um jeito completamente diferente de jogar de Marcelo, mas é seguramente um dos 10 melhores laterais-esquerdo do mundo. Suas características inclusive podem funcionar até mais contra o México que as do titular. É daqueles raros reservas que mantém o alto nível do time ao entrar. Passa quase despercebido, e isso é ótimo.


Casemiro (volante) - 7,0


É um baita de um primeiro volante. Nosso cão de guarda desarma como poucos jogadores no mundo e tem uma imposição física assombrosa. Bem contra a Suíça, precisou fazer falta por erro de passe de Willian que propiciaria contra-ataque, e foi amarelado. Tite o tirou do jogo minutos depois por precaução. Contra a Costa Rica, mais uma vez foi excelente na retaguarda, mas pecou nos passes. Já contra a Sérvia, para mim, foi um dos três melhores em campo. Anulou os lançamentos longos para Mitrovic, cansou de roubar bolas e qualificou a saída. É o grande responsável por equilibrar defensivamente o time de Tite e preocupa por estar pendurado em cartões.


Fernandinho (volante) - 6,5


Único reserva a ser utilizado nos três jogos, Fernandinho tem feito uma Copa limpa e discreta, como manda o manual do bom volante. É opção mais do que compatível para substituir Casemiro quando necessário e oferece variação tática a Paulinho, jogando mais recuado e participando da construção do jogo, como fez contra a Sérvia. Deve ganhar mais minutos na fase de mata-mata pela segurança defensiva que dá ao time.


Paulinho (volante) - 6,0


Quem acompanha o blog sabe que tenho cobrado muito de Paulinho. Sem Dani Alves, Paulinho sofre. O lateral cortado por lesão jogava quase como um volante na fase ofensiva, construindo o jogo e dando total liberdade ao pequeno Paulo fazer o que mais gosta: atacar e finalizar a jogada. Sem Dani, ele é necessário na articulação, que não é seu ponto forte. Enquanto esteve em campo, foi um dos que menos trocou passes e jogou quase ao lado de Gabriel Jesus no ataque. Em um dos poucos momentos em que recuou e deu espaço para a própria infiltração, marcou seu único gol na Copa. Sua vaga é uma das que corre risco, mas a história já mostrou que nunca devemos duvidar de Paulinho. O homem nasceu com aquilo virado para a lua e gosta dos grandes momentos. A ver!


Philippe Coutinho (meia) - 9,0


A grande notícia da Copa até aqui é o protagonismo de Philippe Coutinho, comandando e ditando o ritmo do time no meio-campo. Dá gosto de ver o camisa 11 jogar! Marcou os dois e mais importantes gols da Seleção na fase de grupos e ainda deu assistência magistral para Paulinho deixar o dele. Tem 200 passes completos no torneio, líder brasileiro absoluto no quesito e com taxa de 90,5% de acerto. É ainda o segundo no índice de chances criadas (10) e no de chutes a gol (12). É um dos cinco principais nomes da Copa do Mundo entre todos os jogadores. É difícil pedir mais do que ele entregou nesses três jogos. Segura o “Mágico”!


Renato Augusto (meia) - 6,0


Jogou pouco, apenas 33 minutos divididos em dois jogos. Difícil de avaliar, mas parece em um ritmo diferente dos companheiros. Preocupa ser ele o reserva de Philippe Coutinho.


Willian (atacante) - 5,5


Uma das decepções da Seleção. É outro que sente e muito a falta de Dani Alves, mas que poderia ter rendido mais. Tem como grandes armas o drible em velocidade e o chute de média distância. O drible pouco apareceu em direção à linha de fundo e errou o alvo nos três chutes que tentou. Seu melhor momento na Copa foram os 45 minutos finais do último jogo. Que seja um sinal da recuperação do ótimo futebol que tem e sempre mostrou no Chelsea, Shakhtar e Corinthians. Ganha ainda mais importância pela lesão de Douglas Costa.


Douglas Costa (atacante) - 6,5


Douglas ganharia um 7 se eu levasse em conta apenas os 45 minutos que jogou contra a Costa Rica. Mudou a cara da partida, partindo para cima e se mostrando mais eficiente e agudo que Willian. Mas não deixa de ser frustrante vê-lo machucado outra vez! Lesões musculares tem acompanhado o “Flash” durante os últimos anos no Bayern de Munique e na Juventus. Uma pena, pois tinha toda a condição de ser mais bem aproveitado no Mundial. O corpo médico tem evitado passar um prazo para a sua volta, o que certamente significa má notícia.


Gabriel Jesus (atacante) - 6,0


Outra peça com um desempenho bem mediano, Gabriel é o primeiro camisa 9 desde 1994 a não balançar as redes pelo Brasil na fase de grupos. E o 9 do Tetra era Zinho, que era tudo menos centroavante. O último verdadeiro atacante vestindo a 9 da amarelinha que passou em branco foi César Maluco, em 1974. Detalhe: César não entrou em campo. Ou seja, é um desempenho realmente preocupante o de Gabriel. Quase marcou contra a Costa Rica ao acertar o travessão, e contra a Sérvia perdeu chance primorosa ao sair na cara do goleiro e optar pelo drible. O que tem salvado é seu desempenho coletivo. Incansável, Gabriel abre espaços, incomoda os zagueiros e tem boa visão de jogo. Tem uma assistência para gol e luta por cada bola, não à toa é o vice-líder em desarmes do time, com cinco. Tenho a impressão que ele terá mais 45 minutos como titular, e, se não performar, Firmino assumirá a vaga.


Roberto Firmino (atacante) - 6,5


Mais um reserva dos bons que temos no elenco. Sempre entra bem nos jogos e tem a versatilidade como sua aliada. Contra a Suíça, entrou como centroavante no lugar de Jesus. Já contra a Costa Rica, substituiu Paulinho, jogando como meia por trás dos atacantes e deu toque de cabeça essencial para o gol de Coutinho. Não entrou contra a Sérvia porque Tite queimou a substituição de Marcelo, arrumou o posicionamento defensivo com Fernandinho e poupou Coutinho. Imagino também que Tite quis deixar Gabriel em campo para que ele pegue confiança. Firmino é mais um nome que pode ganhar minutos agora na fase eliminatória.


Neymar (atacante) - 7,0


Nosso melhor jogador começou a Copa visivelmente fora da forma física ideal e isso afeta diretamente seu desempenho. Ainda assim, Neymar se destaca de diversas maneiras. Em números absolutos na competição, é o segundo jogador que mais aplicou dribles em adversários (17) e criou chances para os companheiros (11), é líder nos quesitos chutes a gol (16) e faltas sofridas (17). Só que Neymar é também o jogador que mais perdeu a posse da bola (20), algo que se reduziu no último jogo, quando ele foi desarmado em apenas quatro oportunidades. Ney melhora a cada jogo que passa e isso é excelente para o Brasil. Esperamos dele um futebol de melhor do mundo quando mais precisarmos.


Tite (técnico) - 7,0


Se tem algo que não podemos cobrar de Tite é coerência. É bem fácil ler as ações do técnico brasileiro e entender o porquê de cada tomada de decisão. O ponto alto do professor até aqui foram as mudanças durante o jogo. Troca durante o intervalo, coisa que ele nunca faz, substituição de volante por atacante, fechou o meio quando era preciso… Tite vem preparado para toda e qualquer situação que o jogo possa lhe oferecer, mostra-se extremamente capacitado mesmo no mais alto nível de exigência. Alguém duvidava dele?


Média Final - 6,66


No final das contas, a nota do Brasil é mais ou menos por aí mesmo, entre 6,5 e 7. Passou de ano, mas não encantou ninguém. Não sofreu como outras gigantes nesta Copa, se mostrou um time seguro na defesa e que carece de mais inspiração técnica de seus jogadores do meio para frente. O único jogador de função ofensiva que vem rendendo o esperado ou até mais é Philippe Coutinho. Neymar deve crescer e muito no mata-mata, sua plenitude física parece próxima. Assim como sua principal estrela, o Brasil cresce jogo a jogo e tem um horizonte promissor. A Seleção é o time com mais jogadores lesionados durante o torneio: quatro - Danilo, Marcelo, Fred e Douglas Costa - sinal de alerta ligado por conta deste fato. Uma outra Copa do Mundo começa agora, nas oitavas de final, contra o México. Um adversário complicado, que oferece algo que o Brasil não enfrentou até aqui: a imprevisibilidade. Confio que faremos o resultado necessário e até segunda-feira vamos falar muito mais de Seleção Brasileira! Pra cima deles!


E você? O que acha? Sinta-se livre para discordar, acrescentar ou dar um pitaco nos comentários!


Siga o HexaDiário nas redes sociais:
Instagram: @hexadiario | Facebook: HexaDiário


Getty Images
Getty Images

Coutinho é o cara da Seleção Brasileira até aqui! Tá jogando fino do fino!