6 pecados de Tite durante a Copa do Mundo

Antes que você pense que aqui escreve um oportunista, deixo claro desde já que sou confesso admirador do trabalho de Tite e defendo implacavelmente sua permanência como técnico da Seleção Brasileira. Por tudo o que fez!


Assumiu um time recém eliminado da Copa América pelo Peru de maneira vexatória. Um pentacampeão mundial que corria sérios riscos de nem estar presente na Rússia graças ao patético desempenho nas Eliminatórias Sul-americanas. Um catado de jogadores sem confiança e desiludido que se transformou num time seguro, com padrão de jogo e identidade, onde os atletas passaram a sentir orgulho e prazer em vestir a camisa canarinho.
Uma equipe menos dependente de Neymar, que apostava no talento e num modelo de jogo totalmente atualizado ao que se pratica nas principais ligas do mundo. Deu gosto de ver a Seleção jogar pela primeira vez desde o famigerado 7 a 1.


Mas o esperado Hexa não veio e a frustração ainda paira em nossas cabeças. Durante a Copa, Tite falhou em alguns momentos e estes podem ter custado a sexta estrela no peito. Que sirvam de lição para o mais competente treinador brasileiro há anos e que, ao que tudo indica, estará mais uma vez a frente da Seleção no Catar, em 2022.


Eis alguns equívocos que acredito que o nosso treinador poderia ter evitado.


Getty Images
Getty Images

Tite, sei que sua orelha deve estar coçando de tanto brasileiro dando pitaco no seu trabalho, mas o momento é de ouvir e aprender.


Convocação problemática
Começando pelo começo, na escolha dos 23 nomes que foram à Rússia. A opção por Taison foi a que mais me chamou a atenção desde a convocação oficial. Com Firmino, Jesus, Neymar, Willian, Douglas Costa e Coutinho, todos jogadores capazes de fazer qualquer uma das funções no ataque, ficou inexplicável a opção pelo jogador do Shakhtar. Taison foi o tocador oficial de pandeiro da companhia e só. Lucas Paquetá, Arthur, Giuliano e tantos outros nomes poderiam ter feito melhor.


Renato Augusto chegou baleado fisicamente. Mostrou contra a Bélgica o quanto poderia ser útil em condições ideais, mas só esteve nos cascos no quinto jogo da Copa. Com Paulinho mal, poderia ter ganhado a vaga de titular muito antes, mas seu corpo não permitiu tal feito. Valeu a pena esperar? Será que sua convocação foi correta? O mesmo aplica-se a Fred. Sofreu lesão na preparação e nunca mais foi utilizado. Por que não cortou e chamou outro? Perguntas que deveriam atormentar Tite neste momento.


Superexposição na mídia
Esta é uma crítica que eu ponderei muito antes de trazer à tona, mas não posso deixar de escrever que a superexposição de Tite arranhou sua então imaculada imagem. Só precisei de três dias de Copa do Mundo, com Tite aparecendo cinco vezes a cada comercial na televisão, para não aguentar mais ouvir sua voz. Dinheiro nunca é demais, é claro, mas Tite poderia ter segurado este ímpeto e fechado menos parcerias. De repente, poderia até ter vendido sua imagem com exclusividade à uma única marca, jogando seu preço nas alturas para quem topasse, o que certamente aconteceria. Seu tom pastoral e com frases loucas como "A matilha precisa do lobo, e o lobo precisa da matilha. O conjunto de lobos não é matilha, é alcateia” também não contribuíram em nada para imprensa ou torcida.


Monotática e repetição de jogadores
Isso é algo que Tite necessita absorver. Durante a carreira, sempre apostou na continuidade de atletas para consolidar uma forma de jogar. Algo compreensível, mas não mais aceitável. Com a gama de talentos à disposição que todo técnico da Seleção Brasileira tem e sempre terá, você precisa no mínimo ter mais de uma maneira de atuar. Todas as grandes seleções da Copa, as que teoricamente possuem mais jogadores de alto nível, demonstraram essa variação capaz de surpreender adversários. A própria Bélgica mostrou isso contra o Brasil e pegou Tite de calça curta. Nosso treinador pode exercitar e crescer nesta ótica mais inventiva da montagem da equipe.


Insistência com “protegidos”
Gabriel Jesus e Paulinho deveriam ter perdido a vaga de titular ao longo da competição. Ponto. Não há explicação que me convença a permanência de ambos entre os 11 iniciais. Principalmente com Jesus, que tinha um reserva à altura e em momento superior. Paulinho só não teve esta sombra porque Tite convocou mal para este setor específico. Em competição de tiro curto, com no máximo sete jogos, todo jogador em melhor momento deve ser aproveitado. Nada impediria que Gabriel pudesse entrar no decorrer dos jogos, e isso inclusive poderia ter feito bem a ele. O mesmo vale para Paulinho.


Lado direito inoperante
Tão logo Tite descobriu que não poderia mais contar com Daniel Alves, todas as suas forças deveriam estar concentradas em como fortalecer o lado direito da Seleção. Afora a atuação de Willian no segundo tempo contra o México, o Brasil esteve morto por ali em toda a Copa do Mundo. Todas as seleções do mundial perceberam isso e o Brasil ficou previsível, sempre saindo para o jogo pelo lado esquerdo. Tite poderia apostar na experiência de Rafinha na lateral, trazer um jogador mais criativo e associativo na meia-direita, ter dado mais liberdade para Coutinho aparecer por ali... Enfim! Nenhum time “manco” jamais venceu uma Copa do Mundo.


Time sem capitão
Uma questão menor, mas que me incomodou. Tite inventou moda nessa história de capitão rotativo. Eu nunca tinha visto isso na vida! A tal democratização da braçadeira na verdade exime que um jogador assuma a responsabilidade que lhe é cabida. Mais do que parecer que o grupo poderia ter várias lideranças, fiquei com a impressão que não tínhamos verdadeiramente UM grande líder que pudesse entrar nos nervos de seus companheiros e abrir caminhos nos momentos difíceis. Bellini, Mauro Ramos, Carlos Alberto Torres, Dunga e Cafu. Tá na ponta da língua quem eram os capitães dos outros 5 títulos mundiais do Brasil. Algo que nunca foi problema e que deveria voltar a ser como antes. Quero um capitão de volta!


E você? Algum "pecado" a acrescentar? Concorda que Tite merece mais uma chance?


Siga o HexaDiário:
Instagram: @hexadiario | Facebook: HexaDiário​


Getty Images
Getty Images

Mestre Tite, minha admiração pelo seu trabalho e profissionalismo continua intacta. Tenho fé que este senhor tem todas as condições de nos conduzir ao Hexa em 2022. Cabeça erguida e vida que segue!