A carreira de Ganso atingiu o seu limite?



Campanha publicitária de bebida, com Ganso como protagonista


O video acima mostra um exemplo de como o meia brasileiro Paulo Henrique Ganso é admirado em Sevilla pelo seu talento. Trata-se de um jogador querido pela torcida e que, desde o início de sua passagem pelo clube espanhol, sempre despertou curiosidade e interesse.


Pois bem: o técnico italiano Vincenzo Montella optou por retirar a inscrição do jogador brasileiro, dentre os que participam da Uefa Champions League. Não chega a ser exatamente uma surpresa, dada a nula participação de Ganso sob o comando de Montella: total de 0 minuto desde a chegada do técnico napolitano.


É bem curiosa a situação do jogador. Segundo a imprensa espanhola, Ganso optou por não deixar o clube, mesmo diante do interesse de várias equipes turcas nessa última janela e sabendo que deverá ser preterido pelo técnico.


Getty Images
Getty Images


Trata-se de uma situação um pouco estranha, haja vista que o brasileiro está em uma idade tipicamente considerada como o auge da carreira de qualquer atleta. Ganso não parece estar muito preocupado com isso, prefere permanecer em Sevilla - e no Sevilla.


Elogiado por quem acompanha os treinamentos e o dia a dia do clube (e até pelos companheiros de equipe), Paulo Henrique não parece querer causar problemas. Bom profissional, dedicado. Só não teria o ritmo do futebol europeu...


Montella é o terceiro técnico desde a chegada de Paulo Henrique ao clube. Certamente é o que menos conta com o brasileiro. Sampaoli, que avalizou sua contratação, pensou em inventar o jogador como centrocampista, sem sucesso. Após algumas tentativas e uma longa ausência, Ganso voltou, no fim da temporada, como armador.


Com Berizzo, curiosamente, Ganso teve mais chances. O técnico argentino, cujo trabalho foi merecidamente interrompido, apostou no brasileiro nas primeiras rodadas do espanhol. Ganso rendeu. Marcou gols e foi protagonista. Entretanto, perdeu espaço para o irregular Vázquez.


Já com Montella, a total ausência, até das convocações... é ruim para o jogador, evidentemente, além de ser, de certa forma, igualmente prejudicial para o clube, dado o investimento realizado de 9,5 milhões de euros. No entanto, é bastante difícil desacreditar o trabalho de Montella, cujos resultados iniciais são muito bons. Parece uma decisão conservadora e lógica: evitar arriscar em um jogador que precisa de adaptação e ter um time mais objetivo em campo.


Tirando a questão financeira, tudo certo. Entretanto, por parte do jogador, falta um pouco mais de ambição. Ou... quem sabe, talvez Ganso ache que sua carreira chegou ao limite.