Sevilla: O rei de copas da 'classe média' está na final novamente

Getty Images
Getty Images

Abram passagem para o Sevilla de Vincenzo Montella


Aí está o Sevilla, mais uma vez. O Sevilla está na final da Copa do Rei. A força do clube andaluz nas competições eliminatórias volta a ser demonstrada. Com o triunfo de hoje (2 a 0), contra o honrado Leganés, o Sevilla confirmou o bom resultado da partida de ida e, mesmo em uma temporada extremamente instável, garante uma nova alegria para o torcedor sevillista.


17 finais nos últimos 12 anos, para o Sevilla FC.


Disputar uma nova final (talvez duas, caso o Barcelona garanta a sua vaga amanhã) é o que faz do Sevilla um clube cada vez mais reconhecido e valorizado no cenário internacional. A equipe andaluz caracteriza-se, recentemente, por uma atitude indiscutivelmente vencedora nesse tipo de torneio. Atua com seriedade, compreende a importância do mando de campo, sabe valorizar o gol marcado fora. 


A receita é simples: intensidade, ambição, fome de títulos. O Sevilla abraça aquilo que pode. Com Vincenzo Montella, meio que por vias tortas, o sevillista volta a se sentir identificado com o seu time: velocidade, pressão, intensidade, jogo vertical, objetividade. O sevillista não entende de posse de bola, não quer saber de jogo bonito. É meter gol, em jogada de lateral, de carrinho, com a mão... 


Pentacampeão da Europa League e da Copa do Rei, o Sevilla parte em busca do seu sexto título nesta Copa. Contra o Leganés, a grande verdade é que a maior preocupação era Sergio Rico. O goleiro da base vinha falhando sucessivemente, miseravelmente. Foi respaldado até pelo presidente e, em um jogo sem exigências, passou sem drama.


Superior, o Sevilla controlou a partida, marcou os gols necessários, sem grandes sustos. Montella conseguiu recuperar um time que parecia estar condenado a um fim de temporada infame. Muriel parece outro, Vazquez também. É um time sério e que ainda está em tempo de recuperar espaço na Liga.


O rei de copas das classe média está em mais uma decisão. E ainda tem a Champions... A ver.