Idas e vindas: Nelsinho, reforços e saídas no Sport

Foi só eu cornetar a diligência da diretoria rubro-negra na última postagem que eles resolveram queimar minha língua. A corneta sempre funciona, pro bem ou pro mal.


Pois, sobre Nelsinho: diante do cenário atual das coisas, dos técnicos disponíveis, não havia nome melhor para o Sport que o bom e (mais) velho e campeoníssimo Bob Pai. Um sujeito que conhece do ofício, ganhou muita coisa em seu período nipônico e tem bom comando de vestiário. É tranquilo, mas sério. Não vai ter mais cerveja training, mas sobrará diálogo. É um cara por quem os jogadores vão correr. E é o primeiro passo da minha previsão.


Porém, que a diretoria não espere que esse respeitável senhor tire leite de pedra DE NOVO. 2008 foi um aborto. É preciso entregar um time decente pra ele. E, se não tivemos contratações, pelos menos já cortaram as primeiras cabeças do elenco podre de 2017. As óbvias, o que já é um começo. Comentemos:


Samuel Xavier: a torcida do Galo aqui em Beagá já foi devidamente avisada. Pegaram em bomba. Obrigado a todos os envolvidos.


Néris: jogou em algum time menor de Pernambuco, a diretoria trouxe pra tapar buraco, jogou uma partida e deve acabar em algum time da Série C de algum estado nordestino de influência holandesa.


Igor Ribeiro: prazer.


Rodrigo: o anão grande chegou como uma boa revelação, com cara de titular. Número na camisa de acordo com o jogador bem nota 5 que é.


Wesley: aaaah, Wesley... liga não. Essa torcida, lá no fundo, te ama.


Osvaldo: começou bem, mostrou habilidade, velocidade, parecia aquele Osvaldo dos tempos de São Paulo. E foi caindo, caindo, caindo, e quase derrubou o time junto.


Marquinhos: cresceu na reta final da Série A, mas parece que a sua malemolência baiana não foi suficiente para agradar a diretoria.


Também há os casos dos que estão voltando de empréstimo, casos dos volantes Neto Moura, Fabrício e Ronaldo, além do zagueiro-suspense Matheus Ferraz e o meia Régis. Neto Morto já teve tempo para mostrar alguma utilidade ao time, mas sempre foi meio anêmico. Provavelmente não fica no time. Fabrício começou bem, mostrou alguma qualidade pra bater na bola e uma certa frieza em campo, mas essa mesma frieza parece ter chegado no sangue também. Ronaldo já acertou com a Ponte Preta para 2018, pra jogar com o único técnico brasileiro que consegue enxergar alguma coisa nele: Bob Filho. Matheus Ferraz, o White Durval, fez uma grande temporada em 2015, mas piorou horrores depois disso. Acho difícil sua permanência. Régis é uma incógnita. Não sei se ele tem interesse em voltar ao Sport, onde foi rejeitado logo após ser contratado como craque. Ocupa a mesma faixa de campo que Diego Souza, mas perde feio na compleição física. Mas ainda um bom jogador, e Nelsinho mostrou interesse em tê-lo no elenco.


Também há a situação dos que podem caçar novos rumos. Durval é um que 102% da torcida não quer ver seu contrato renovado. Pesa idade, pesa salário, pesam alguns momentos de letargia em campo. A Era Rithely, nosso Dunga de bolso, amor e ódio puro, também pode estar chegando ao fim. O Galo parece ter desistido, mas o Inter ainda tenta empurrar uns refugos ao Sport para ficar com ele, todos por empréstimo, inclusive o próprio Rithely. Anselmo, que jogou muito nas últimas partidas, é um dos biscoitos do pacote. Falam que o zagueiro Ortiz é outro. O último seria Eduardo Sasha, mas esse fez biquinho e deve acertar com o Fluminense. Diego Souza é o caso que anda causando mais ansiedade. O jogador está de férias na Flórida, coincidentemente o mesmo destino dos dias de descanso de Nelsinho Baptista e do diretor Augusto Carreras. Há uma conversa informal já agendada entre eles, aquele bate-papo gostoso de frente pro mar animado por umas piñas coladas com guarda-chuvinha. Nelsinho falou que conta demais com a permanência dele em 2018. Resta ver se seu currículo é bom o bastante para o ego de Diego Souza.


Agora a parte boa. Então é Natal, tempo de peruas. O Sport anda discreto no mercado, mas os torcedores-que-conhecem-esse-ou-aquele-diretor já soltaram suas listas. Além do trio do Inter que já foi divulgado amplamente e com selo de Perua Oficial®, também temos no cardápio:


Nílton: volante bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro, bom de bola, bom de bater, jogou com Seu Nelson no Japão e isso parece ser um fator para trazê-lo para a Ilha. Mas parece que o Bahia entrou na história também.


Germán Pacheco: meia argentino com passagem pela Espanha e estava jogando no Alianza Lima. Teve o nome ventilado já há algum tempo, mas aparentemente fechou com o Ceará. Caso se confirme, espero que a diretoria negue o interesse no jogador, porque perder alguém pra um time recém-promovido mina nossa autoestima.


Élber e Marlone: a criatividade da diretoria. Parece até que anda querendo remontar o time de 2015 pra ver se dá tudo certo. Élber acho fraco e pouco dotado de inteligência, mas Marlone, bem, temos interesse.


Robinho: é, apareceu essa também. Pareceu uma perua séria, mas soa estranha diante das declarações da diretoria sobre contenção de gastos. Não gostaria de ver o jogador no Sport, principalmente após seu envolvimento no caso de estupro ter vindo à tona. Jogadores com problemas de violência contra a mulher nós já temos em casa, não precisamos gastar mais com isso.


Por ora, esse é o saldo do mercado rubro-negro: parado. A diretoria fala que já tem negociações avançadas com vários jogadores. Provável que até o fim da semana saia alguma perua mais consistente, até porque já é tempo de assar.