Aleluia: o Sport vai às compras

O ano virou, Papai Noel passou e deixou só uma lembrancinha na Ilha. Literalmente. Não que Marlone não seja uma boa aquisição. Porque é, acho um excelente jogador, pra uma posição onde a gente tem capengado um pouco desde que ele saiu. O problema da falta de presentes reside mais no fato da indefinição de algumas peças do time. Peças, não. Alicerces.


Diego Souza e sua eterna novela. Desde o ano passado, ficou explícita - quase pornográfica - a intenção do rapaz de ir embora. O Palmeiras o seduziu, o dinheiro se misturou - supostamente - a questões pessoais delicadas e ele ficou um bom tempo sem render nada. E, no fim, para não se queimar com a torcida, jamais se posicionou claramente sobre suas intenções. E a torcida ficou com uma camisa com mancha de batom nas mãos, mas sem saber se o beijo foi da mãe ou da amante. Fim de temporada, e a novela ganha um remake. O vilão protagonista agora é o São Paulo, que chegou junto de Diego para levá-lo ao Morumbi sob a promessa de visibilidade para a Copa do Mundo.


Williams Aguiar/Sport Club do Recife
Williams Aguiar/Sport Club do Recife


Minha opinião: primeiramente, Diego Souza pode acabar dando um tiro no pé. Nada garante a titularidade dele no São Paulo. E sabemos que não é por deficiência técnica. O jeito despretensioso de correr de Diego pode não cair bem em uma torcida que até recentemente resmungava de Ganso. Ademais, Tite foi bem claro ao dizer que não se importa com os torneios que seus escolhidos estão disputando. Ele já os conhece e quer apenas que estejam jogando bem e se cuidando. E ele tem um carinho especial por Diego Souza, reconhecendo o talento dele ao colocá-lo no mesmo nível intelectual de Neymar e Coutinho.


Rithely. Virou o coitadinho do momento. Seu empresário expôs à imprensa as condições deploráveis em que o jogador vive. Todo dia perdendo uma hora no trânsito ao se deslocar da BEIRA-MAR de BOA VIAGEM até a Ilha do Retiro em seu carro importado com ar-condicionado glacial e seis dígitos na conta todo mês. Cadê os direitos humanos, rapaz? É muita judiação. Aliás, se tem algo que está acabando com o futebol no mundo é a tal figura do empresário. Impossível um jogador trabalhar sua identificação com o clube com esses sujeitos por trás. Sujeitos esses que ninguém sabia que existiam há uns 20 anos atrás. Pois é melhor Rithely baixar o fogo e pôr o rabinho entre as pernas, porque já foi o tempo que jogador no Sport era trocado por ficha telefônica e cinco BIG BIG. A diretoria está fazendo jogo duro como tem que ser. E os times, ainda assim, continuam a fazer propostas ridículas. E a imprensa do EIXO DO MAL continua a cravar fake news sem sequer consultar o Papai.


Patrick. Foi embora e vai deixar saudades, sem dúvida. Porém, mais uma vez, a figura do empresário tomou a frente e quis capitalizar em cima de um jogador que despontou apenas esse ano. Foi ingratidão do jogador, mas a culpa não é dele. Vida que segue.


Pedro Costa foi contratado. Ninguém pareceu se importar.


Léo Ortiz veio do Inter para compor a zaga. É jovem e jogou regularmente no time profissional ano passado. Deve disputar a titularidade na nossa fraca defesa.


Anselmo renovou seu empréstimo. Merecidamente, pela boa participação nos jogos finais. É um volante forte, que joga duro, mas que tem algum jogo de cintura pra ir ao ataque. E tem bom passe.


Mena acabou de fechar com o clube também, não sei sob quais termos. Considerando que foi um dos principais garçons do time na temporada, acho que será útil tê-lo novamente, com a vantagem de poder contar com ele tanto para o meio como para a lateral-esquerda.


Excluindo Patrick da lista, temos aí 7 negociações das 9 que o presidente afirmou que faria. Mas como Rithely e Diego Souza ainda tem contrato com o clube, não fazem parte da conta, de acordo com Arnaldo Barros. Então, ainda faltam 4 nomes. Aparentemente, já estão engatilhados. Ninguém sequer arrisca soltar umas peruas, de tão bem guardados que estão. Provavelmente teremos novidades até o fim da semana. Talvez um time para a temporada que já vai começar. Mas considero as permanências de Diego e Rithely imprescindíveis para almejar algo para esse ano.