Há vida no Tottenham depois de Dembélé?

De acordo com o DiMarzio, o agente de Mousa Dembélé encontra-se na Itália, ouvindo propostas de Internazionale, Juventus e Napoli. Para o France Football, já há um acordo entre Tottenham e uma ainda desconhecida equipe chinesa para sua transferência, por £30 milhões. A cada notícia, uma martelada. O que faz o atleta de 30 anos, em seu auge, deixar a Inglaterra?


Ouvir que Dembélé é o jogador mais subestimado dos Spurs – e até de toda a Inglaterra – não é incomum. Peça-chave para o rendimento da equipe de Pochettino, ele cresceu de produção de maneira estrondosa nos últimos anos. Tanto que o próprio treinador afirmou que o atleta é um gênio, colocando-o ao lado de figuras como Maradona, Ronaldinho e Okocha. É um pecado que ele tenha sido descoberto como meia central tão tarde na carreira.


Com o belga em campo, a equipe dos Spurs jamais tinha uma saída de bola com sustos. Bastava passar para o belga que ele desafogaria o jogo com a suavidade de um patinador no gelo. O trabalho de sair da zona de pressão e distribuir a bola no campo rival era sempre cumprido com maestria (esqueçamos aquele jogo contra o Manchester United, na FA Cup). Além disso, roubar a bola dele parece uma tarefa impossível, já que protege a bola com uma naturalidade ímpar.


Getty Images
Getty Images

Para roubar a bola de Dembélé, não basta somente puxar a sua camisa


Se o atleta tem sido tão incrível assim, por que o Tottenham deixaria ele ir? Bem, a razão conversa justamente com seu estilo de jogo. Para conduzir a bola como faz, Dembélé utiliza-se muito de sua parte física. Por não evitar contatos, acabou se lesionando constantemente na última temporada. Em 2018, atuou em quase todos os jogos sem estar inteiro fisicamente. Ainda assim, teve exibições de gala em grandes jogos, como contra Juventus e Arsenal – e é isso que intriga o torcedor do Tottenham.


Outra explicação possível para sua saída é a continuidade do ciclo. Se Mousa não consegue se manter 100%, alguém pode fazê-lo, ainda que numa menor qualidade, mas por um maior período. É o caso de Harry Winks, atleta revelado pelo Tottenham, de contrato renovado até 2023, que já se mostrou capaz de substituir Dembélé. E em um cenário nada fácil, diga-se: diante do Real Madrid, na Champions League, tanto em Wembley quanto no Bernabéu, foi brilhante. O jovem inglês tem talento e pode distribuir o jogo tão bem quanto o belga. Contudo, perdeu toda a segunda metade da temporada com uma lesão no tornozelo, o que não permitiu que evoluísse ainda mais.


Getty Images
Getty Images

Winks é capaz de assumir o protagonismo de Dembélé?


Na busca por contratações, alguns atletas surgem como possíveis substitutos de Dembélé: Tanguy Ndombele, do Lyon, Mateo Kovacic, do Real Madrid, e Mario Lemina, do Southampton, são algumas das opções ligadas ao Tottenham. Todos reúnem características similares às do belga, o que faz crer que sua saída realmente - e infelizmente - é iminente.


Perder o jogador não seria duro somente para a torcida: Pochettino ama o meio-campista e, provavelmente, gostaria de contar com ele para as próximas temporadas. Mas tudo indica que o contrário ocorrerá. Chegou a hora de se preparar para a vida sem Mousa Dembélé.