Por que o Tottenham ainda não contratou?

Tradicionalmente, na janela de verão, os clubes da Premier League tinham até o dia 31 de agosto para realizarem contratações. Pensando em otimizar a montagem dos grupos, as equipes acordaram em adiantar a data, e o Deadline Day foi deslocado para o dia 9 de agosto (a quinta-feira anterior ao início do campeonato). O envolvimento do Tottenham nessa janela prometia ser diferente dos últimos anos, ao que tudo indicava. Mais de £150 milhões disponíveis para contratações, grandes nomes na mira e muitas expectativas. Os fatos alavancaram a esperança de qualquer torcedor dos Spurs. Contudo, Daniel Levy parece amar o apelido de Deadline Levy. Mesmo.


O chairman do Tottenham jamais deixa de ligar o modo aventura ao conduzir as transferências. Para economizar alguns centavos de libra, ele não titubeia caso precise levar a negociação até os 45’ do segundo tempo. Quando se coloca na balança a eventual bolada disponível para gastos na janela, e o tempo reduzido para fazê-los (com cerca de 20 dias sobrando), pesa a urgência. Não para Levy, óbvio. Até o momento, a realidade são renovações de contrato, obras do novo estádio a mil e novos – duvidosos – uniformes. Contratações? Só nos sonhos.


Getty Images
Getty Images

Levy costuma barganhar até o último minuto


Os nomes ligados aos Spurs, até o momento, ajudam a traçar o perfil dos atletas buscados. Um zagueiro jovem, como um dos sondados De Ligt, Mawson ou Pavard, cobriria uma possível saída de Alderweireld. Kovacic, Ndombele e André Gomes são as opções de meias centrais, já que persiste a indecisão quanto ao futuro de Dembélé. As peças, aparentemente, seriam para substituição – o que traz a ideia de que a equipe titular está no nível ideal.


Jogadores mais ofensivos também são procurados, principalmente porque Son, de contrato renovado até 2023, se juntará à Coreia do Sul nos Jogos Asiáticos. Para a função, os nomes dos pontas Martial, Sessegnon e Zaha apareceram com força, além do meia Jack Grealish. Este, inglês topetudo do Aston Villa, parece ser o único que foi da sondagem para a realidade, mas o valor pedido pela transferência do jogador segue distante do que Levy está disposto a gastar.


Getty Images
Getty Images

O polêmico Grealish se acomodou e virou um excelente prospecto


Deadline Levy não aparenta certo sossego somente por ter tranquilidade ao lidar com situações de pressão. Harry Winks, recuperado da lesão que o tirou de metade da última temporada, faz o clube pensar duas vezes antes de gastar em um substituto para Dembélé. A situação é parecida no que tange à contratação de um ponta: Lucas Moura, que chegou em janeiro, participa da pré-temporada desde o primeiro dia e, entrosado e adaptado, é melhor do que mais da metade dos sondados pelos Spurs. Ademais, jovens como Cameron Carter-Vickers, Juan Foyth e até Joshua Onomah estarão mais maduros e podem ajudar compondo o grupo.


A cada janela de transferências, a cautela do Tottenham assombra a torcida e, em especial, o treinador. Tudo que Mauricio Pochettino gostaria era de ter o grupo pronto algumas semanas antes da estreia, de preferência com peças novas. Bem como têm feito os rivais: todos anunciaram pelo menos uma grande contratação. Parece que nos Spurs, mais uma vez, ficará tudo para a última hora. A hora de Levy.