Chatice e obviedade: o que o sorteio da Champions representa para o Tottenham

Enfrentar o Manchester City nas quartas de final da Champions era a opção menos interessante de todas. Ao mesmo tempo (e talvez por isso), era também a mais temida. A equipe de Guardiola, apesar do histórico não tão favorável na competição, joga um futebol sólido, frio e brutal. Além da bola, há uma infinidade de outros itens que justificam a primeira assertiva: o charme, a repetição e a obviedade são alguns deles.


ESPN.com.br | Champions League terá quartas com Manchester United x Barcelona e duelo inglês


As grandes noites europeias são, provavalmente, uma das coisas mais charmosas no futebol mundial. Todo mundo quer ver seu time desfilando em campo, ao ritmo do hino que basicamente exalta as grandes equipes e os campeões em três línguas diferentes - mas que tem uma mística estrambólica. Somando ao fato de que o palco de tudo isso é num estádio novinho em folha, depois de anos que pareceram séculos para sua liberação, é quase impossível estragar o momento. Pena que o adversário sorteado é um porre.


Getty Images
Getty Images

A rivalidade entre os treinadores vem desde os tempos de Espanha


É incrível ver gente da Europa toda pisando no norte de Londres para enfrentar o Tottenham. Barcelona, Real Madrid, Borussia Dortmund. Muitas equipes fizeram isso nos últimos anos, e cada jogo contra eles é relembrado com orgulho e sem esforço. O Manchester City é um timaço e isso é inconstestável - só que ele tá lá toda hora. Não consigo vislumbrar, no jogo do dia 9 de abril, aquela atmosfera legítima de Champions League. É o adversário de sempre, ainda que num cenário diferente.


Pode ser que eu esteja errado (o que seria ótimo), mas, a princípio, o que ocorrerá é previsível. O City é um time chato de se jogar contra, que cozinha o adversário até ele sucumbir e começar a levar gol atrás de gol. Nos cinco duelos entre as equipes, desde que Pep treina os azuis, o Tottenham faturou somente um - justamente o primeiro deles. No resto, o óbvio: um Manchester dominante, produzindo para golear e não dando espaço aos Spurs. Em abril, num período de dez dias, serão mais três jogos (um deles pela Premier League). Chato, chato e chato.


Getty Images
Getty Images

Tottenham venceu somente uma das últimas cinco partidas contra o City


Claro, existem ingredientes interessantes, e isso é inegável. Vai que o encanto da Champions League se mistura com a irrealidade da estreia do novo estádio em um torneio europeu e o Tottenham torna-se quimericamente capaz de bater o City. Apertando a saída de bola de maneira organizada, obrigando os caras a darem balões na direção de Aguero, pegando eles desprevinidos em contra-golpes nas alas porque os laterais estão jogando na linha dos volantes... Algo assim.



Curta o One Hotspur no Facebook.



Parece paranoia - e talvez até seja. Mas o Tottenham, na Champions, tem sido um desses delírios. De uma eliminação lógica para uma classificação suada no Camp Nou. De um duelo contra o Borussia preocupante, com estrelas lesionadas, para um 4x0 devastador no agregado. 

Mesmo com tantos argumentos contra, ainda tem aquela unha de esperança. Enquanto o City não estiver com 5x0 no agregado, desculpe-me, mas eu vou sonhar. Sonhar para que, ao menos, não seja chato.