Choque do trovão salva reestreia do Jorginho como técnico do Vasco

www.vasco.com.br
www.vasco.com.br

Pikachu chuta para marcar seu primeiro gol: Jorginho deve agradecer ao Pokémon por sua volta ao Vasco com vitória


Se o retorno de Jorginho ao cargo de trainador do Vasco aconteceu com uma vitória, o comandante tem muito o que agradecer ao – lateral? Volante? Armador? Atacante? - Yago Pikachu. Quando um time se esforça tanto para entregar uma partida como o Vasco na vitória por 3 a 2 sobre o Sport, só mesmo o brilho individual pode garantir os três pontos.


Não que o conjunto da equipe tenha ido mal. Mas como um filme de terror para sua torcida, em toda partida do Vasco, independente do nível de jogo apresentado pela equipe, acontecem aqueles vacilos que dão a oportunidade dos nossos adversários conseguirem seus objetivos.


Ontem não foi diferente. O time até jogava bem, abriu o placar cedo – com Pikachu finalizando à perfeição uma excelente bola de Giovanni Augusto – e não corria muitos riscos. Estávamos prontos para terminar o primeiro tempo com vantagem até que Desábato faz uma falta boba e Paulão marca um golaço, infelizmente contra.


Aí Pikachu começa a mostrar porque Jorginho já lhe deve gratidão desde sua primeira partida no comando do time: antes da ida para o intervalo, Giovanni Augusto, mais uma vez, faz uma assistência incrível para o pequeno Pokémon, que marcaria outro belo gol se não fosse derrubado pelo goleiro Magrão. O próprio Yago cobra a penalidade e nos devolve a oportunidade de começar o segundo tempo em vantagem.


No segundo tempo, foi a somatória de fatores extracampo e das decisões equivocadas do novo treinador que quase põe tudo a perder. Não temos como responsabilizar o Jorginho pelo péssimo condicionamento físico do time (que perdeu três jogadores por cansaço, dois deles recém-saídos da base), mas cabe ao treinador as escolhas para substituí-los. E tirando a troca de um zagueiro por outro – Erazo no lugar do Ricardo Graça – as outras duas mexidas de Jorginho fizeram com o que o time perdesse a capacidade de criar e só serviram para trazer o Sport para o nosso campo.


Quando sofremos o gol de empate, em mais uma vacilada da defesa - com destaque para Paulão e Henrique – o Vasco estava com três zagueiros e quatro volantes em campo. E para o Jorginho, não bastou tirar Giovanni Augusto e colocar o volante Raul em campo. Ele ainda achou por bem, com o Vasco empatando a partida e sendo pressionado, tirar o Ramon do banco para ficarmos com três laterais em campo.


Foi preciso que o Pikachu, mais uma vez, participasse do jogo para o Vasco conseguir a vitória: depois de Andrés Rios ajeitar a bola no peito para o versátil Pokémon, Yago acertou uma bomba de fora da área, obrigando Magrão a fazer uma grande defesa. Mas Ramon não desistiu do lance e invadiu a área para aproveitar o rebote do goleiro rubro-negro, marcando o gol da vitória aos 44 minutos do segundo tempo.


É lógico que uma partida não é o bastante para criticar um treinador, ainda mais com sua equipe vencendo o jogo. Mas foi preocupante ver o Jorginho, com o time jogando bem, tentar “fechar a casinha” na metade do segundo tempo, com uma vantagem mínima e o adversário nos pressionando. Ainda mais preocupante foi ver o time como um todo estar tão esgotado fisicamente ainda no meio da temporada (o que certamente deve ter influenciado algumas das decisões do técnico).


A vitória, contra um oponente em ótima fase, foi muito boa. Mas deixou claro para o torcedor vascaíno que tanto o treinador como os preparadores físicos do Vasco terão que trabalhar muito na parada para a Copa.



As atuações...


Fernando Miguel – o Sport não chegou a exigir muito do goleiro e não se pode colocar na sua conta os dois gols sofridos (ainda que tenha sido um pouco indeciso no segundo). Quase no fim do jogo deu uma saída em falso em um escanteio que quase matou a torcida do coração.


Luiz Gustavo – vem quebrando um galho na lateral (tanto que não voltou para o banco mesmo com Rafael Galhardo tendo condições) e mais uma vez não comprometeu. Dessa vez, até fez uma graça no apoio, tendo uma chance no começo do segundo tempo, mas finalizou mal.


Paulão – não adianta falar o que fez ao longo do jogo se falhou nos dois gols do Sport. No primeiro, não apenas falhou, fez o gol contra; no segundo, fez um corte equivocado para o meio da área.


Ricardo – veloz e atento, fez boas antecipações e cortes. Sua saída, alegando cansaço antes dos 20 minutos do segundo tempo é algo preocupante para um zagueiro tão jovem. Erazo entrou em seu lugar e é o contrário do Ricardo: bem mais lento, tentou compensar esse problema com um posicionamento preciso. Até conseguiu, com isso, cortar algumas bolas importantes. Não chegou a comprometer.


Henrique – parecia afobado ontem, o que fez com que cometesse mais faltas do que está acostumado (levou um amarelo em uma delas, inclusive). Discreto no apoio, acabou vacilando feio na marcação no segundo gol do Sport.


Desábato – segue em queda de produção: como roubar bolas é o básico na sua posição, isso não chega a compensar o número grande de faltas (e uma delas originou o primeiro gol adversário) e erros de passe.


Andrey – sem o brilho das duas últimas partidas, ajudou na transição de jogadas defensivas e ofensivas e apareceu na frente para finalizar. Terminou a partida como “meia de criação” do time, graças às alterações do Jorginho.


Bruno Cosendey – fechou os espaços e também tentou ajudar na criação, mas foi outro jovem a cansar no segundo tempo e sumiu. Deu lugar ao Ramon, que mostrando um faro de gol digno de um centroavante, terminou como o herói do jogo, marcando o terceiro já nos acréscimos.


Yago Pikachu – marcou, criou jogadas e apareceu na frente para marcar gols (e sofrer um penal) com precisão. Anotou os dois primeiros gols e teve participação decisiva no terceiro. A fase é tão boa que o nosso Pokémon dormiu na vice-artilharia da competição com os dois gols marcados ontem. Só não pediu música por conta de duas defesas espetaculares do goleiro Magrão.


Giovanni Augusto – na sua melhor partida com a camisa do Vasco, foi corresponsável pela vitória vascaína, descolando ótimas assistências para Pikachu no primeiro gol e no lance que culminou no pênalti. Saiu cansado na metade do segundo tempo, dando lugar ao estreante Raul, que errou um monte de passes sem garantir mais segurança à defesa (tanto que sofremos o segundo gol de empate com ele já em campo). Tem o benefício de ser sua primeira partida pelo clube e a necessidade de uma maior adaptação ao time, mas não agradou.


Andrés Rios – mais uma vez sozinho na frente, foi obrigado a recuar para buscar jogo e em alguns momentos foi visto inclusive iniciando jogadas ofensivas no meio de campo. Se não chegou a levar perigo ao gol do Magrão, foi importante no terceiro gol, fazendo jogada de pivô para que Pikachu acertasse a bomba que terminou com o gol do Ramon.