Brigar pelo título da Copa do Brasil é uma obrigação para o Vasco

www.vasco.com.br
www.vasco.com.br

Galhardo acena para os vascaínos de Petrolina: a recepção ao time na cidade baiana dá a medida da responsabilidade que cada jogador carrega


Uma multidão foi receber o Vasco na sua chegada no aeroporto de Petrolina (PE), de onde o time partiu para Juazeiro (BA) para enfrentar o Juazeirense, pela primeira fase da Copa do Brasil. Obviamente guardando as devidas proporções, nos faz lembrar de outra recepção ao time em um aeroporto, há quase oito anos.


Falo de uma recepção no Santos Dumont, numa quinta-feira, 9 de junho de 2011: era a volta do time de Curitiba, depois de ter conquistado a Copa do Brasil daquele ano. Milhares de torcedores invadiram primeiro o aeroporto e depois as ruas do Rio de Janeiro para saudar o time e comemorar o título, que encerrava um longo jejum de conquistas nacionais do clube.


Muito tempo e muitas mazelas depois, o Vasco hoje tem pretensões bem mais modestas que em 2011. Mas sempre que se fala em Copa do Brasil, o discurso é um só: o time entra na competição para brigar pelo título.


E se o discurso está correto, é importante que Valentim e seus comandados não o encarem apenas como uma retórica obrigatória para um time grande. É preciso um real comprometimento e, mais importante, acreditar que é possível ser campeão, independente dos adversários que pintem à frente.


Nenhum dos jogadores do atual elenco estava no time de 2011 (alguns eram apenas crianças, inclusive) Update: como os leitores Malrivam Junior e Thiago Alvarenga bem recordaram nos comentários, o possante Felipe Bastos e o Ramon estavam no elenco campeão da Copa do Brasil. O deslize é compreensível: como lembrar que o lateral esquerdo e o nosso coreógrafo estão hoje no Vasco se eles fixaram residência no Departarmento médico?


Mas a calorosa recepção da torcida do Vasco em Pernambuco - e também na Bahia, para ver o treino do time -  é um momento oportuno para os que não lembram ou não viram a festa da torcida após a conquista sobre o Coxa deem uma procurada em vídeos e reportagens da época. Servirá para dar aos jogadores do atual elenco uma pequena noção do que é representar um gigante, com torcedores em todos os cantos do Brasil. E os fará entender porque o Vasco tem o DEVER de visar todos os títulos que disputar.


JUAZEIRENSE X VASCO (COPA DO BRASIL)


Local: Estádio Adauto Morais (Juazeiro-BA)


Horário: 21h30 (Brasília)


Árbitro: Rafael Traci (PR)


Auxiliáres: Ivan Carlos Bohn (PR) e Jefferson Cleiton Piva da Silva (PR)


JUAZEIRENSE: Douglas Pires; Ewerton, Emílio, Diego Bispo e William Santos; Patrik, Mika, Maicon e Rogerinho; Hugo Freitas e Jacó. Técnico: Aroldo Moreira.


VASCO: Fernando Miguel; Raúl Cáceres, Werley, Leandro Castan e Danilo Barcelos; Lucas Mineiro, Raul e Thiago Galhardo; Yago Pikachu, Marrony e Maxi López (Ribamar). Técnico: Alberto Valentim.