Vasco joga apenas vinte minutos e vence o Resende

www.vasco.com.br
www.vasco.com.br

Artilheiro do Vasco na última Copinha, Tiago Reis estreia como titular marcando seu primeiro gol como profissional


As surpresas começaram já pela escalação. Diferente do que se esperava, Valentim barrou Pikachu, Galhardo e Ribamar, dando a titularidade ao Rossi, Bruno César e Tiago Reis. Pela movimentação, criação de jogadas e chances de gol, parecia que estávamos finalmente diante dos titulares definitivos para o momento do time.


Com trocas de passes rápidas e infiltrações velozes, não demoramos a abrir o placar. Logo aos quatro minutos o garoto Tiago Reis mostrou que a torcida tinha razão em pedi-lo no time e balançou a rede depois de boa jogada individual do Marrony.


O Vasco continuou pressionando, criando chances de gol e obrigando o goleiro do Resende a fazer defesas difíceis. Mais 13 minutos de pressão e ampliamos o placar, com Bruno César aproveitando uma sobra para marcar o seu gol.


Aí veio a parada técnica. E depois disso, o Vasco parou de jogar.


Diminuindo muito o ritmo, o time deixou as triangulações de lado e passou a explorar as bolas esticadas. Defensivamente, mostrava uma marcação mais frouxa, dando espaço para que o Resende se sentisse confortável para nos atacar. Nosso adversário não conseguiu diminuir a diferença e fomos para o intervalo com os mesmos dois gols de diferença.


No segundo tempo o Vasco até voltou a trocar mais passes, mas diferente da primeira etapa, sem muita efetividade. A tabelas saíam, mas não conseguíamos ameaçar o Resende. Já nosso adversário ia aproveitando os espaços que cedíamos e chegavam com mais perigo. Fernando Miguel chegou a precisar fazer algumas defesas mais complicadas, mas os mandantes não conseguiram fazer gols. Com o apito final, ficou o placar do pimeiro tempo: Vasco 2 x 0 Resende.


Fizemos o dever de casa, chegamos ao segundo lugar do grupo e, caso o Voltaço não vença a Cabofriense amanhã, dependeremos apenas dos nossos esforços para nos garantir na semifinal da Taça Rio. Mas a vitória, ainda que não tenha sido das mais complicadas, foi meio decepcionante. Isso porque os primeiros vinte minutos do time deram a impressão de que poderíamos ter feito muito mais e não fizemos.




As atuações….


Fernando Miguel – quase levou um frangaço em cobrança de falta no primeiro tempo, mas acabou se recuperando no segundo, fazendo boas defesas.


Raul Cáceres – um início muito intenso, com muita presença no apoio e acertando o cruzamento que originou o primeiro gol do time. Como o resto do time, fez um segundo tempo mais discreto.


Werley – a seriedade de sempre, se saiu bem nos combates diretos e nas bolas aéreas.


Leandro Castan – como já é rotineiro, deu umas vaciladas nas saídas de bola, inclusive quase marcando um gol contra no primeiro tempo. Mas não chegou a comprometer.


Danilo Barcelos – não chegou a ter trabalho na parte defensiva. Também apoiou bastante, fazendo alguns cruzamentos perigosos.


Bruno Silva – ter a noção das suas limitações e fazer o básico foi o que melhor poderia ter feito. Deu lugar ao Thiago Galhardo, que não chegou a mudar o panorama do jogo.


Lucas Mineiro – fez bem a transição da bola da defesa para o ataque, mas jogando mais recuado do que deveria, acabou não sendo tão importante na criação de jogadas.


Bruno César – distribuiu bem as bolas, fazendo o time rodar com eficiência. Marcou seu primeiro gol com a camisa do Vasco mostrando oportunismo. Na etapa final não manteve o bom nível do começo do jogo e acabou dando lugar ao Fellipe Bastos, que no pouco tempo que teve em campo errou alguns passes e cobrou uma falta com perigo.


Marrony – melhor jogador do Vasco na partida, infernizou a defesa adversária e foi um dos poucos que não diminuiu o ritmo no segundo tempo. Participou das jogadas do dois gols, em especial o primeiro, quando fez uma bela jogada individual e deixou o Tiago Reis na cara do gol.


Rossi – se demonstração de vontade e disposição fossem os critérios para definir um titular, Rossi não perderia mais a vaga para o Pokémon. Fez boas jogadas pelos lados do campo, explorando sua velocidade, e teve pelo menos duas chances para marcar.


Tiago Reis – não precisou nem de cinco minutos para ter a melhor atuação de um centroavante vascaíno no ano. Não abriu o placar logo aos dois minutos por conta de boa defesa do goleiro do Resende, mas dois minutos depois marcou o seu, mostrando o bom posicionamento que um jogador da sua posição deve ter. E se Yago Pikachu, que entrou no seu lugar no segundo tempo, não chegou a fazer a diferença, pelo menos mostrou um pouco de disposição mesmo tendo iniciado o jogo no banco.