Raiva, alegria e medo: resumo do que aconteceu em Campinas

Ponte Preta 2x3 Vitória. Esse jogo ficará marcado para sempre na minha memória. Não só pelo resultado mas por todo o contexto que envolveu a partida. Ao chegar no Moisés Lucarelli, vi uma torcida confiante. Tinha gente de Porto Alegre, Rio de Janeiro, Cuiabá, Salvador e, claro, São Paulo. Torcedores que deixaram suas casas e viajaram para apoiar a equipe na fuga da zona maldita do descenso.


RAIVA


Uma pena que o time não correspondeu logo de cara. O Vitória entrou apático, desorganizado e jogando um futebol medíocre. Simplesmente foi atropelado pela fraca equipe da Macaca, que fez dois gols em apenas 15 minutos em falhas de Wallace e Geferson. A raiva era imensa. Não só pelo resultado mas pela apatia do time. Arrisco a dizer foram os piores 15 minutos que vi o Vitória jogar.


Eduardo Carmim/Photo Premium/Gazeta Press
Eduardo Carmim/Photo Premium/Gazeta Press

Expulso por agredir Trellez, Rodrigo ajudou o Vitória em Campinas


Para a nossa sorte, Rodrigo foi expulso por agressão a Trellez. Atitude estúpida do zagueiro pontepretano. Mesmo com um a mais, o ataque do Vitória era impotente e aceitava a situação. André Lima e Carlos Eduardo entraram no jogo. Era tudo ou nada. E o primeiro tempo acabou de forma triste. 


ALEGRIA


Na volta do segundo tempo tudo mudou. A intensidade mudou de lado. O Vitória parecia uma carreta desgovernada em cima da Ponte Preta. E tudo começou a dar certo quando Mancini tirou Neilton, mais uma vez fazendo péssima partida, e colocou Danilinho. Em seu primeiro lance, desviou na primeira trave para André Lima diminuir o placar. Um minuto depois, Trellez contou com a sorte e empatou. As substituições enfim fizeram efeito. Carlos Eduardo, Danilinho e André Lima mudaram a cara do Vitória na partida. Patric e Trellez também jogaram demais. A sina de "time de guerreiros" está de volta.


Manuel Messias/Photopress/Gazeta Press
Manuel Messias/Photopress/Gazeta Press

Trellez comemora o terceiro gol que deu o triunfo ao rubro-negro


A virada veio na jogada característica desse time, o contra-ataque. Danilinho, olha ele de novo, escapou pela ponta e deu pra Trellez sozinho empurrar para a redes e virar o jogo. Neste momento não tínhamos mais voz nem serenidade. Viramos o jogo de forma espetacular, fazendo um segundo tempo quase perfeito.


MEDO


Mas toda essa alegria deu lugar ao medo em alguns segundos. Parte da torcida da Ponte invadiu o gramado e foi para cima dos jogadores. Uma outra parte tentou derrubar a barricada que divide as duas torcidas para invadir o lado do Vitória. Começamos a correr desesperadamente para fora do Estádio. Eram 12 mil contra 500. Quando saímos do estádio, nos deparamos com uma viatura da PM estacionada que simplesmente foi embora. Sim, a Polícia Militar abandonou a torcida do Vitória na saída do jogo. Ficamos completamente desamparados naquele momento.


FERNANDO DANTAS/Gazeta Press
FERNANDO DANTAS/Gazeta Press

Torcida da Ponte Preta invade o campo do Estádio Moisés Lucarelli


Com isso, começamos a correr e formar "bandos" para nos proteger. Como tinham os bloqueios nos arredores, os carros ficavam longe e a torcida da Ponte deixava o estádio revoltada com a situação do time, o que tornava o medo de confronto ainda maior. Com ajuda de outra viatura que fazia ronda no local, conseguimos chegar em nossos carros. Após alguns minutos de conversa, a polícia entendeu (oi?) a tensão e escoltou parte da torcida até a rodovia.


Saímos de Campinas agradecendo aos céus que nada de ruim aconteceu conosco apesar da tensão e que, mesmo pessimamente administrado, meu Vitória é GRANDE DEMAIS!


SRN!

Me siga no twitter!