O estadual na Bahia escancara um abismo financeiro

No meio de um calendário extremamente apertado, muito se discute a relevância dos torneios estaduais, principalmente nos campeonatos fora do eixo SP-RJ-MG-RS. E isso tem uma explicação óbvia: financeiramente não é rentável.


No nosso estado, Vitória e Bahia receberão R$ 850 mil (Cota 1) cada por participação. Todos os outros clubes pertencentes a Cota 2 receberão R$ 113 mil cada (veja detalhes no final do post). 


De acordo com o estudo realizado pelo jornalista Cassio Zirpoli (veja aqui) sobre as cotas de TV dos estaduais, só o Bangu-RJ receberá R$ 2 milhões por participar do Campeonato Carioca. Isso é mais do que Bahia e Vitória juntos (R$ 1,7 milhão).


Se achou que isso beira o absurdo, saiba que o Boavista-RJ receberá R$ 4 milhões de cota de TV para participar do estadual. Isso é mais que os quatro nordestinos que irão disputar a Série A em 2018.




A menor cota de TV do Campeonato Paulista recebida por clubes como Linense, São Bento e Santo André gira em torno de R$ 3,3 milhões - quase quatro vezes mais que o Vitória recebe. Isso para não falarmos da Cota 1, em que Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo recebem R$ 17 milhões cada (20 vezes mais que o Vitória).


Tem mais. As cotas totais de TV no Campeonato Baiano são de R$ 2,6 milhões. Por participar do Paulista, o Ituano-SP recebe R$ 3,3 milhões. A desigualdade de dinheiro no futebol atinge novos níveis aqui.


Se ficarmos só no "amém", a tendência é piorar. É preciso se rebelar contra os valores praticados. Atlético Paranaense e Coritiba fizeram isso ano passado. A cota de TV do Campeonato Paranaense é semelhante aos valores praticados na Bahia. Ambos os clubes recusaram a proposta de R$ 1 milhão feita pela Globo-PR, levando, inclusive, ao cancelamento de um clássico. Assim, nenhum jogo da dupla foi transmitido em rede aberta, somente pelo Youtube. Como pouco mudou, irão manter a postura este ano.


A distribuição das cotas de TV para os estaduais gera distorções que são difíceis de aceitar. Não estou dizendo que o Campeonato Baiano deve ter o mesmo valor do Campeonato Carioca, mas não podemos aceitar 1/20 deste valor. Os clubes precisam se unir e para buscar algo melhor para o futebol. Não dá para ficarmos refém de valores tão irrisórios.


Na Copa do Nordeste, caso campeão, o Vitória poderá arrecadar até R$ 3,5 milhões, quatro vezes mais que o Campeonato Baiano. Ainda assim, o valor é inferior ao que Madureira ou Boavista-RJ recebem. Isso mesmo. Mesmo Campeão do Nordeste, receberíamos menos que um mero coadjuvante do Campeonato Carioca.


Não podemos esquecer que hoje a posição do clube no campeonato estadual pela federação baiana qualifica para o Copa do Nordeste e vale vaga na Copa do Brasil. 


Longas viagens, campos ruins, cansaço de atletas e lesões são só a cereja do deficitário campeonato. É preciso repensar nosso estadual ou jogar com o sub-23. O que não podemos é aceitar toda esta matematica de braços cruzados. A desigualdade é grande.


Distribuição de Cotas de TV - Campeonato Baiano 2018


Cota: R$ 2,604 milhões
Premiação: nada
Total: R$ 2,604 milhões


Cota 1 (2 times) – R$ 850 mil (Bahia e Vitória)
Cota 2 (8 times) – R$ 113 mil (Atlântico, Bahia de Feira, Fluminense de Feira, Jacobina, Jacuipense, Jequié, Juazeirense e Vitória da Conquista)


Distribuição de Cotas de TV - Copa do Nordeste 2018 (caso o Vitória seja Campeão)


Campeão – R$ 3,5 milhões
Vice – R$ 2,6 milhões
Semifinalista – R$ 2 milhões
Quartas de final – R$ 1,45 milhão
Fase de grupos – R$ 1 milhão


SRN!


Me siga no Twitter!